Mudanças entre as edições de "Alvorada de Minas"

Ir para navegação Ir para pesquisar
sem sumário de edição
m (Manutençãozinha)
{{Cidadezinha}}
'''Alvorada de Minas''' é uma cidadezinha de [[Minas Gerais]], localizada ao lado de [[Conceição do Mato Dentro|Conceição com a Piroca Dentro]]. Tendo uma grande variedade de [[igreja]]s, [[Catedral|catedrais]] e [[terreiro]]s, Alvorada de Minas é considerada ''point'' obrigatório para romeiros que estão em uma jornada espiritual por esse [[Brasil|Brasilzão]] de meu [[Deus]], que podem pedir a bênção para mais de cinquenta padres e depois ir beber em um dos [[boteco]]s da região com a bênção no corpo.
'''{{PAGENAME}}''' é uma cidadezinha localizada em [[Minas Gerais]], que, de tão pequena e insignificante, nem mesmo o [[Google Maps]] consegue encontrar. Com aproximadamente 3.482 habitantes, não podemos nem considerar {{PAGENAME}} como uma [[cidade]], mas sim como uma tribio indígena um pouco mais avançada do que aquelas que, de fato, vivem no meio do [[mato]].
 
==História==
[[Arquivo:Cave-funnyAlvorada de Minas.jpg|thumb|200px250px|UmaIgreja das minas dee [[ouromaloqueiro]], localizadasas emúnicas {{PAGENAME}}coisas que osse mineradoresencontra mais gostam dena explorarcidade.]]
Nos primórdios, Alvorada de Minas era habitada pelos índios botocudos, que estavam lá de boas fazendo o que qualquer índio faz, [[nada]]. Até que com os boatos que caíram da vozinha do [[Seu Madruga]] dizendo que por ali havia ouro e pedras preciosas, apareceram os primeiros [[bandeirante]]s, mas como seria difícil minerar a área com aquele monte de gente com a bunda de fora pela região, eles decidiram catequizar os índios, deixando o ancestral do [[Jim Jones]] cuidar desta parte.
Assim como [[9]][[0]]% das cidades de [[Minas Gerais]], {{PAGENAME}} foi fundada por um [[idiota]] ganancioso, que estava interessado na exploração total das lucrativas minas que haviam na região. Apesar de {{PAGENAME}} realmente ter muitas minas que poderiam render muito [[dinheiro]], o solo era péssimo, e o fundador quase morreu, pois não nascia sequer uma [[mandioca]] fina para matar a sua fome. Por conta disso, ele acabou desistindo de seu objetivo e foi embora, indo para algum lugar do [[Triângulo Mineiro]]. Porém, antes disso, ele fincou uma bandeira no solo, para dizer que aquelas terras pertenciam à ele. Obviamente, isso não adiantaria absolutamente nada, pois [[qualquer um]] poderia retirar a bandeira e ignorar totalmente a existência do [[primeiro]] descobridor. Bem, mas o que vale é a intenção.
 
Com os índios tendo ido aprender mais sobre a palavra de [[Deus]] perguntando diretamente para ele, a área ficou livre, se tornando um prolífico local de mineração que atraiu muitos [[boliviano]]s a procura de emprego no Brasil. Esse êxodo fez com que nascesse o primeiro [[esboço]] de cidade, a qual foi denominada como Santo Antônio do Rio do Peixe.
Como existe muita gente gananciosa, pouco tempo após o descobridor das terras ter partido, apareceram muitos outros, mais idiotas e gananciosos ainda. Na verdade, esses eram tão idiotas que acreditavam que poderiam sobreviver naquelas terras, mesmo sem ter [[Porra nenhuma|absolutamente nada]] para comer. Por conta disso, eles fundaram um pequeno vilarejo para morarem enquanto exploravam as minas, que ficou conhecido como '''Santo Antônio do Rio do Peixe'''.
 
Em 1962, agora sem nada de valor no solo, mas com um monte de [[tiozão]] morando lá e com preguiça de ir pra um lugar melhor, Santo Antônio do Rio do Peixe enfim foi emancipada, passando a se chamar Alvorada de Minas, nome escolhido em cinco minutos após uma pesquisa feita com todos os dez habitantes da cidade.
Obviamente, como o solo não dava nada, logo as terras acabaram ficando abandonadas, pois a grande maioria dos exploradores [[Morte|bateu com as dez]], e os poucos que restaram, foram para alguma outra região decente. Percebendo que [[ninguém]] nunca conseguiria morar naquele lugar, o prefeito de [[Serro]] (outra cidadezinha esquecida, que ficava ali do lado) resolveu anexar aquelas terras à sua [[cidade]], pois dessa forma, as duas cidades conseguiriam sobreviver juntas. E ele estava certo, afinal, [[Velho Deitado|a união faz a força]].
 
==Política==
Alguns anos mais tarde, os moradores da antiga Santo Antônio do Rio do Rio do Peixe, achando que já poderiam se sustentar com as próprias pernas, começaram uma [[guerra]] para conseguir a autonomia. Bem, como Santo Antônio do Rio do Peixe sempre foi um bairro absolutamente inútil, que não gerava nenhuma renda, o prefeito de Serro preferiu nem defender o território, e autorizou a separação das cidades. Após feita a separação, os moradores de Santo Antônio do Rio do Peixe resolveram rebatizar a cidade, pois eles queriam esconder o passado negro. Então, após terem pensado por muito tempo (aproximadamente [[cinco]] minutos) eles escolheram o nome de {{PAGENAME}}, que é o que permanece até hoje.
 
A única candidata à vereadora na cidade, e que por isso ganha sempre, é Danila Melo, que prometeu acabar com a [[corrupção]], mas no fim só acabou mesmo com o ex-marido, tendo seu momento [[Flordelis]].
==Cidade==
 
O último prefeito eleito teve a chapa cassada, já que ele desviou os sete reais arrecadados com os impostos para comprar um [[pão com mortadela]] e um [[pingado]] na padaria. Por isso o atual prefeito foi eleito por eliminação, ninguém gosta do cara, mas é o que sobrou.
Basicamente, grande parte do território da cidade é composto por [[mato]]. Fora isso, ela é uma típica cidadezinha esquecida do interior, em que metade da população tem menos de [[dois]] dentes na boca e fica na calçada fofocando sobre a vida da [[biscate]] que vai na [[praia]] e usa um [[biquíni]] do tamanho de um dedal, sobre como a Dona Maria engordou depois que se casou com o [[Zé]], e de como a programação da [[Rede Globo]] ficou uma porcaria nos últimos tempos... Enfim, eles ficam papeando sobre diversos assuntos culturais e muito interessantes.
 
==Turismo==
Como nenhuma empresa decente tomou a iniciativa de investir na cidade, {{PAGENAME}} não tem energia elétrica, não tem água encanada, e muito menos saneamento básico. Por isso, os moradores de lá costumam dormir às [[6]] horas da tarde, pois assim, não precisam se preocupar em ficar acendendo o lampião. E também todo mundo tem uma casinha no quintal, que é onde... Bem, creio que não seja necessário maiores explicações.
 
Existem muitas atrações turísticas em Alvorada de Minas, como a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, a Igreja Santa Rita e a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição. Mas para quem não é [[católico]] também existem outras variedades de locais para se visitar, como a [[Igreja Universal]], a [[Igreja Mundial]] e a [[Igreja da Bolinha de Queijo]]. Enfim, o turismo em Alvorada de Minas é bastante diversificado e atraente.
==Ver também==
 
==Saúde==
*[[Minas Gerais]]
[[Arquivo:Boletim Alvorada.png|thumb|250px|Boletim do [[coronavírus]] em Alvorada de Minas não consta nenhum internado, até porque corpo definhando nos corredores das igrejas não contam como internação.]]
Em Alvorada de Minas quase ninguém morre de [[doença]], até porque com apenas cerca de três mil habitantes, quase nem tem gente pra morrer mesmo. A maioria dos óbitos são por idade avançada, tiro, suicídio, ataque de onça ou por mordida de animal peçonhento, ou seja, mortes instantâneas e por isso que dispensam a necessidade de hospitais, apenas de necrotérios e igrejas, o que explica a abundância destes locais na cidade.
 
Na [[pandemia]] de corongão, Alvorada de Minas quase não sofreu os impactos da doença, até porque quase ninguém visita a cidade para levar o vírus. De acordo com a própria prefeitura, apenas três óbitos por conta disso ocorreram, o que coloca a cidade como uma das que melhores conseguiram controlar a situação no mundo inteiro, perdendo apenas para o [[iceberg]] que afundou o [[Titanic]], que divulgou apenas um óbito, até porque lá moram apenas quatro esquimós.
 
----
{{Minas Gerais}}

Menu de navegação