Era uma vez... Cu (Versão educada)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Huffraid.gif Este artigo merece uma chance!

Este artigo tem sido ruim, mas promete que vai melhorar. Por favor não o delete! Ele pode mudar!


Cquote1.svg Você quis dizer: Paródia de química Cquote2.svg
Google sobre Era uma vez... Cu (Versão educada)
Cquote1.svg Tem que fudê com cu memo Cquote2.svg
Chico Bioca Alguém sobre a palavra Cu (ah bom!)
Cquote1.svg Cu é uma palavra ignóbil e asquerosa, Toba é menos ruim, mas não deixa de ser ofensivo. Então eu sugiro Ânus. Cquote2.svg
Nerd 1000% sobre Era uma vez... Toba
Cquote1.svg Talvez o Cobre participe de um concurso sobre quem vai substituir a palavra Cu Cquote2.svg
Outro nerd sobre a palavra Cu

Era uma vez... Cobre é a versão educada do poema Era uma Vez Cu escrita por pessoas que acham a palavra cu chula, grosseira, torpe, obscena, imoral, ofensiva, infame, vergonhosa, indecente, ignóbil, asquerosa, cínica, rude, repugnante, entre outros adjetivos que só intelectuais entendem. Segundo alguns, a música é menos vulgar que o poema original. Outros dizem que a música parece uma paródia de química.

Poema[editar]


Era uma tarde sombria
Na aldeia de Orobre
Nascia um ser pequenino
Com o belo nome de Cobre.

Aos oito ânus de idade
inteligente para obre
todos admiravam
a capacidade do Cobre.

Aos 18 ânus
General foi proclamado
Todos admiravam o Cobre
Um valente soldado.

Quando foi pra guerra
este valente chorou
Não por covardia
O COBRE da mãe lembrou.

Numa batalha feriu-se
na aldeia de Orobre
Veio uma bala perdida
e furou o olho do COBRE.

Os soldados japoneses
em uma tarde derradeira
tendo o general morto
Que se COBRE com a bandeira.