Saga de Asgard

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Bandeira do Reino da Dinamarca e Noruega.png Ek est årtikkel Norsk!

Este artigo desfruta do melhor IDH do mundo! O autor bebe hidromel, ouve black metal, nada em petróleo, é descendente de vikings e mora perto de um fjord.

Tudo pelas norueguesas!


Narutofuuga.jpg Este artigo é relacionado a fillers!

Você nunca vai ver num mangá, provavelmente não serviu para porra nenhuma
e é difícil pacas de encaixar na cronologia original (ou não).

Clique aqui para saber de outras coisas sem importância.


Cquote1.png Você quis dizer: Saga Filler? Cquote2.png
Google sobre Saga de Asgard
Cquote1.png Experimente também: Filler Cquote2.png
Sugestão do Google para Saga de Asgard
Cquote1.png Foi só uma pequena falta de criatividade! Cquote2.png
Masami Kurumada sobre Saga de Asgard
Cquote1.png Rendeu uma boa grana! Cquote2.png
Fabricantes de briquedos sobre Saga de Asgard
Cquote1.png Só atrasou o meu aparecimento! Cquote2.png
Poseidon (Saint Seiya) sobre Saga de Asgard
Cquote1.png Mais um motivo pra apanharmos no anime! Cquote2.png
Seiya de Pégasus sobre Saga de Asgard
Cquote1.png Porque depois que começou a Saga de Poseidon fomos esquecidos? Cquote2.png
Hilda de Polaris sobre o óbvio ululante
Cquote1.png Por que vocês são personagens Fillers! Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre a pergunta acima
Cquote1.png MWAHAHAHAHAHA! Cquote2.png
Risada Diabólica sobre o OWNED do Capitão Óbvio em Hilda de Polaris

O Deus Nórdico Odin. Nem aparecer ele pode no filler (sacanagem!)

[editar]

Brito-Odin.jpg

A Saga de Asgard foi o filler que colocaram bem no meio do anime yaoi Cavaleiros dos Zodíaco, para preencher um buraco que provavelmente ficaria (ou não) entre a Saga do Santuário (mais conhecida como a Batalha das Doze casas), em que Saga de Gêmeos toma a posse do Santuário de Athena e a deseja matar para tomar o seu trono (acabando, obviamente, morto depois disso); e a Saga de Poseidon (ou Batalha no Templo de Poseidon), em que Julian Solo (um cara rico e apaixonado por Saori Kido) acaba sendo o receptáculo do espírito do Imperador dos Mares, Poseidon, e pretende matar Athena, que deu um fora nele, e destruir o mundo (nada de novidade até então).

Na verdade, essa saga simplesmente foi só mais uma jogada de marketing (daquelas mentes que pretendem dominar o mundo) do que outra coisa. Foi utilizada somente para vender mais "bonequinhos de plástico dos cavaleiros" do que para promover o evolução cronológica do anime em sí que, pelo menos a meu ver (e no de todo mundo também), deveria ser o mais essencial (mas que acabou não sendo). A ilógica é monstruosa, pelo simples fato de que eles se utilizam de uma mitologia totalmente diferente da tão acostumada e ensolarada Mitologia Grega, colocando no meio do desenho uma outra muito estranha e simplesmente desconhecida por muitos habitantes.

Mitologia Nórdica - A História[editar]

Hilda recebendo o Anel de Nibelungo (Agora sim ela entendeu o que é um "Presente de Grego", não?)

A fria e nada haver Mitologia Nórdica (aquela mitologia que inclui o todo foderoso Deus Odin, Thor e toda a patota do Palácio Valhalla, mas que, infelizmente, não coloca em foco as gostosas Valquírias nem em parte alguma), foi a mitologia escolhida pela trupe de Masami Kurumada (que, para quem não sabe, é o autor do anime yaoi dos Cavaleiros), mas não pelo autor, pois ele não adicionou a Saga de Asgard nos seus mangás, para que a mesma fique como um filler para sempre MWAHAHAHAHAHA. A história começa com um belíssimo presente recebido por Hilda de Polaris, a representante do Deus Odin na Terra que de tão filler nem ganhou uma reencarnação nessa era mitológica, diferente dos seus primos deuses gregos.

O presente que ela recebeu foi o diabolico Anel de Nibelungo, um presente de "amigo secreto" de Sorento de Sirene, a mando de Poseidon, o Imperador Adriano dos Mares (tudo isso para que um link fosse feito entre a Saga de Asgard e a Saga de Poseidon, para que não fique algo tão ilógico assim). O anel possuía uma efeito lisérgico sobre o seu possuidor (nesse caso possuidora), que a deixava completamente doidona e com sede de sangue de poder! Por esse fato, ela resolve deixar tudo o que fazia de lado (como deixar o gelo ainda gelado em Asgard, para que ele não derretesse) e resolve travar uma verdadeira guerra contra o Santuário da Deusa Athena, afim de matá-la e tomar o seu lugar (só faltaram dizer pra Hilda entrar na fila nesse objetivo).

O Objetivo[editar]

Basicamente o objetivo é lutar com eles

Pra tentar concluir tal plano mirabolante (e que todo mundo sabe que não vai funcionar no final), Hilda resolve ressuscitar as lendárias sete (não sei qual é a mágica que esse número carrega, já que muito do que acontece nesse anime gira em torno desse número) armaduras dos Guerreiros-Deuses, que são protegidas pela constelação de Ursa Maior (sim, UMA constelação protege os SETE guerreiros, afinal, eles são filler e não tem o direito de possuirem cada um uma constelação individual), sendo que cada uma delas possui uma Safira de Odin, que, se juntadas e levadas à estátua de Odin, no topo do Palácio Valhalla, podem adquirir "de brinde" a foderosa Armadura Sagrada de Odin. E assim, a Saga de Asgard tem início, começando com a famosa frase:

Cquote1.png Sete corajosos guerreiros reuniram-se com Hilda, que é a representante da Terra de Odin, Deus de Asgard, do Norte da Europa. Eles juraram destruir o Santuário. E assim a cortina de outra batalha mortal começa. Cquote2.png
Narrador da Sessão da Tarde dos Cavaleiros do Zodíaco sobre o início de cada episódio da Saga de Asgard (tirando o primeiro)

Pegar as Safras de Odin

Bom, e com essas lindas palavras, Hilda começa a guerra. Infiltrando um de seus Guerreiros no Santuário de Athena, o poder dele consegue derrubar (com um só golpe), um dos Cavaleiros de Ouro (Aldebaran de Touro), derrota variados Cavaleiros de Bronze e, quando está para matar Saori Kido, é impedido pela bibinha por Shun de Andrômeda. Esse mesmo Guerreiro (que é Shido de Mizar), acaba encontrando com outros cavaleiros de Bronze, como Hyoga de Cisne, Shiryu de Dragão, Ikki de Fênix e o encosto do Seiya de Pégasus. Vendo que estava em desvantagem numérica e resolvendo atrasar a sua mais do que óbvia morte, ele resolve fugir e fala as palavras de Hilda para todos eles, a de que Asgard estava travando uma guerra contra um Santuário, pelo controle do mundo.

E conseguir isso! Simples, não?

Saori Kido, a reencarnação de Athena, já muito puta com todas essas ameaças de morte sendo que ninguém as cumpria no final, resolve fazer uma visita à fria Asgard, junto com seus capangas Cavaleiros de Bronze. Chegando lá, ela se depara com uma cena deplorável, o gelo estava derretendo (devido ao aquecimento global e a despreocupação de Hilda com os seus afazeres) e poderia inundar o mundo (como se Asgard fosse muito grande para tal ato). Também se depara com a hentai Hilda, que a olha de longe, junto com seus Guerreiros-Deues, montada em um cavalinho preto. Athena então percebe o Anel dourado que Hilda utilizava e morre de inveja descobre o porquê dela ter mudado tanto assim, ela estava era possuída pelo demônio poder sadomasoquista do Anel de Nibelungo e de sua sede por poder.

Vendo que tal ameaça poderia destruir a Terra (até parece ¬¬), ela resolve ficar no lugar de Hilda e recongelar a localidade com o seu corpo cosmo. Para que ela não viesse a morrer de hipotermia, seus "poderosos" cavaleiros deveriam percorrer o caminho até o Palácio Valhalla, roubar conseguir as sete Safiras de Odin (que estavam nas armaduras dos Guerreiros-Deuses), trocá-las pela Armadura de Odin (que vinha com um belíssimo, e único, exemplar da Espada Balmung, que poderia destruit tudo até você) e destruir o poder do mal do anel de Hilda, além de salvar Athena antes do pôr-do-sol, já que, a noite, o frio ainda é mais forte (ou seja, o básico de todo o episódio dos Cavaleiros do Zodíaco, Salvar Athena no final e nada mais).

Saga de Asgard - As lutas[editar]

Assim, o mortal-imortal, Seiya, junto com seus amigos alegres Shiryu, Hyoga e Shun (Ikki ainda não tinha chego e também não era gay), resolvem percorrer toda a localidade, em direção à Valhalla (quem sabe ainda tomavam um pouco de hidromel quando chegassem e encontrassem um local aquecido para ficar) em busca dos Guerreiros-Deuses, das Safiras de Odin, da Armadura na Estátua no topo do Palácio Valhalla, do espadão de Odin e de matar Hilda destruir o poder do Anel de Nibelungo.

Os episódios as saga seguem um círculo vicioso composto de grupos de três: - Cavaleiro de Atena se encontra com um Guerreiro-Deus, ambos se apresentam e o cavaleiro quase morre de tanto apanhar durante os 20 minutos do episódio. - Guerreiro-Deus revela um passado sombrio e como Hilda o ajudou a sair da merda. Rola um papo gay sobre amizade, confiança, amor ou pederastia. Cavaleiro apanha até quase morrer na metade restante do episódio. - Cavaleiro apanha até quase morrer e no final se lembra de uma passagem de uma luta contra os cavaleiros de ouro. Aí desperta o sétimo sentido e acaba com o guerreiro-deus com um único golpe. - Repete tudo com uma dupla diferente.

Thor de Phecda[editar]

Thor de Phecda

No corredor que levava em direção ao Palácio, os quatro encontram o seu primeiro inimigo, o gigante e burro Thor de Phecda, a Estrela Gama. Um cara que tem o tamanho apropriado para o inverso do tamanho do seu cérebro. Utilizando-se do seu foderoso martelo machado (WTF? Thor não se utilizava um simples martelo enorme?), ele consegue nocautear facilmente os quatro fracotes Cavaleiros de Athena. Tal guerreiro jurou lealdade a Hilda de Polaris por ela ter curado o seu braço durante um combate com um bando de pigmeus (mas que, na verdade eram habitantes de Asgard) e prometer muita comida a ele. Além disso, Thor acreditava piamente que foram os Athenienses que transformaram Hilda na ser malígna que ela era agora (por isso ele é burro). Acabou sendo morto pelas mãos do encostou Seiya, que até que entendeu o gigante, mas estava sem tempo para ele.

= Fenrir de Alioth[editar]

Fenrir de Alioth

Indo em direção a uma floresta totalmente congelada, os Cavaleiros se deparam com Fenrir de Alioth, a Estrela Epsílon (mais conhecido com Mogli, o Menino-Lobo). Shiryu compra o combate, fazendo com que os seus companheiros sigam em frente. Fenrir luta, literalmente, como um animal, não poupando em nada o Dragão, cegando-o (como sempre!) inclusive. Fenrir conta com o apoio de uma alcatéia de lobos (ORLY? Pensei que fosse de vacas!), que foram os seus amigos desde quando era pequeno, quando perdeu sua família e a confiança nos humanos. Mesmo assim, momentaneamente cego (por ser pupilo de Dohko de Libra, que é mais do que fodão, apesar de ter mais de oito mil 100 anos de idade), Shiryu consegue lutar contra o lupino Guerreiro-Deus e vencê-lo, mostrando que, mesmo sendo um portador de necessidades especiais não significa que é um total inútil (ou não).

Hagen de Merak[editar]

Hagen de Merak

Aproximando-se do local mais quente da fria Asgard, que era às encostas de um vulcão, os cavaleiros restantes enfrentam Hagen de Merak, a Estrela Beta, e "quase-cunhado" de Hilda. Hyoga acaba comprando a briga com ele e deixa com que Shun vá em direção ao próximo obstáculo. Hagen é o único Guerreiro que consegue se utilizar de gelo e fogo em ataques e ainda aguentar a temperatura infernal no interior de um vulcão, coisa que para o outro é impossível, já que está acostumado com o frio da Sibéria. Com raiva de Hyoga por pensar que ele tivesse um caso com Freya, ele o ataca impiedosamente, mas acaba (como todos os outros) derrotado pelo Cavaleiros de galinha de despacho Cisne, que o derrota com o golpe plagiado de seu mestre Camus de Aquário, o Execução Aurora. Isso sem saber que na verdade Hyoga era gay nunca havia ficado com Freya.

Mime de Benetnasch[editar]

Mime de Benetnasch

Integrante do Grupos dos Cavaleiros Músicos, Mime de Benetnasch, a Estrela Etanol Eta, tem que enfrentar o mais fracote dos Cavaleiros de Athena, o Andrômeda (que foi o único que sobrou no final). Travando uma dura (ui!) batanha com o caveleiro, Mime tem a total vantagem, utilizando-se de sua lira harpa para vencê-lo. Mesmo com a nem tão foderosa Tempestade cor-de-rosa Nebulosa, Shun não o vence. Quando está para matar o futuro corpo de Hades, Ikki aparece para salvá-lo (como sempre!). Ele então descobre sobre o passado trágico do Guerreiro de Benetnasch, mas, mesmo assim, o cara não se mostra nenhum pouco amigável e trava uma luta mortal contra o Fênix. Como um bom protagonista que é, Ikki acaba vencendo o Guerreiro-Deus, mas resolve ficar um pouquinho mais alí para descançar e manda o seu "querido irmão" seguir em frente.

Alberich de Megrez[editar]

Alberich de Megrez

Marin de Águia aparece do nada para avisar C&A de uma coisa importante, mas acaba se deparando com Alberich de Megrez, a Estrela Delta, em uma floresta de ametistas. Ele a enfrenta e conta o seu segredo, na verdade ele também queria reunir as Safiras de Odin e livrar Hilda do anel (que ele mesmo viu quando ela foi possuída por ele), mas não para salvá-la, mas para conseguir a Espada Balmung e se tornar um Deus em Asgard. Consegue vencer Marin e, com suas mentiras, derrota Seiya (incrível, mas ele consegue), além de Hyoga. Porém, com a chegada de Shiryu de Dragão, uma batalha de verdade é travada. Mestre Ancião, através de uma mensagem de texto, diz para Shiryu como é que se vencia um Alberich (deve ter algum manual assim em alguma livraria), ele então se concentra e consegue se proteger do ataque mais forte do Guerreiro de Megrez. Irritado, Megrez tenta se utilizar da Couraça Ametista, mas como o Dragão já sabia do ponto fraco desse ataque, o derrota.

Shido de Mizar[editar]

Shido de Mizar

Shido de Mizar, a Estrela Zeta, foi o guerreiro que se infiltrou no Santuário a princípio e quase (infelizmente quase) matou Athena. Ele protege o salão do Palácio Valhalla. Mesmo tendo derrotado um Cavaleiro de Ouro (ou seja, força ele tinha e merecia algo melhor para enfrentar), teve de lutar contra Shun de Andrômeda, que ainda não tinha vencido ninguém no anime. Com técnicas rápidas, como a Garras do Tigre Negro, que agatalhava o inimigo todo (bem masoquista, mas tudo bem), Shido malina bastante com Andrômeda. Quando se utiliza do seu foderoso Impulso Azul chega até a congelá-lo como um frango de supermercado. Mas, queimando a rosca o cosmo, Shun se livra do gelo e aplica em Shido a Tempestade Nebulosa (já que suas correntes haviam quebrado com o frio do Palácio Valhala). Shido ainda mostra disposição para a luta, mas acaba vencido pelo Cavaleiro das Correntes.

Bado de Alcor[editar]

Bado de Alcor

Bado de Alcor, a Estrela Zeta (também!) é o irmão gêmeo de Shido de Mizar, e tem sempre que viver escondido, pois somente pode existir UM Guerreiro de Mizar. Como o seu irmão morre, ele assume o posto e compra briga com Shun, mas Shina de Cobra o ajuda (apesar de só atrapalhar). Já enfraquecido, Shun não dá mais conta (ui!) de lutar contra Bado. Quando o mesmo vai derrotá-lo Ikki aparece (sim, mais uma vez!) e se depara com o drama familiar. Contando a sua história de negligência familiar (como se Ikki fosse um psicólogo), Bado não pede piedade e luta bravamente com Ikki, mas (também!) acaba vencido pela poder da Ave Maria Fênix. Nesse momento, Shido desperta e dá uma encoxada agarra Ikki por trás e pede para que Bado o mate com ele. Bado acaba sentindo afeição pelo seu irmão gêmeo a acaba arregando em cima da hora. Shido morre e tem o corpo levado dalí pelo seu irmão, que desiste do combate e sobrevive (ou não).

Siegfried de Dubhe[editar]

Siegfried de Dubhe

Entre os mais fortes de todos os Guerreiros-Deuses, sobrou Siegfried de Dubhe, a Estrela Alfa. Utilizando-se de poderosos golpes diante da Estátua de Odin (e de Hilda também), como a Espada de Odin e o Vendaval do Dragão (que não passa de um "Cólera do Dragão" duplo), ele consegue OWNAR todos os Cavaleiros de Athena. Porém, como todos os personagens do anime, também possui um ponto fraco, que é exatamente no mesmo local em que Shiryu de Dragão tem o seu (coincidência, ou falta de pura criatividade?). Somente uma pessoa poderia atigir esse golpe em "um décimo de milésimo de segundo", que é nada mais e nada menos do que o encosto Seiya de Pégasus. Desviando-se do foderoso Vendaval do Dragão, Seiya atinge em cheio o peito de Siegfried e o derrota. Nesse momento, alguém que ninguém esperava que surgisse por aquelas bandas, resolver dar (ui!) as caras por alí e contar toda a verdade sobre o anel que Hilda usava.

Tudo plano de Poseidon[editar]

Sorento fez uma pontinha nessa parte, só para criar o link entre a Sada de Asgard e a Saga de Poseidon (como se uma necessitasse da outra para existir)
Flautinha.jpg

Sorento de Sirene surge no momento em que Siegfried perde para Seiya e dá uma cagada tira graça com a cara dos Guerreiros-Deuses de Asgard, que não passam de uns fracos e fracassados (bom, ele não estava mentindo em nenhum momento) e conta toda a verdade por trás do filler da Saga de Asgard, que, na realidade, o anel que Hilda possuia foi um presente do Imperador dos Mares Poseidon, que desejava o corpo de Hilda na realidade a morte de Athena que o havia trancafiado em um jarrinho com um coração desenhado na frente (o que ele, como um deus macho que era, não gostou nenhum pouquinho), desde a sua última guerra mitológica.

Finalmente a ficha caiu na cabeça de Siegfried (e de todos os que assistiam o desenho), que viu que, na realidade, não seguia ordens de Hilda de Polaris, mas sim do Imperador Poseidon, um deus de outra mitologia. Isso o irritou deveras e resolveu travar um duelo contra o General Marina de Sirene. Sorento então toca para Siegfriend a sua famosa Sinfonia Final da Morte, que invoca as fadas do mundo aquático para levar o corpo dos inimigos de Sorento para o inferno. Mesmo perfurando os seus próprios tímpanos com os dedos (WTF?), Siegfried ainda fica sobre o efeito da Sinfonia Mortal de Sorento (ele ainda não aprendeu que não adianta tapar ou perfurar os tímpanos, a música atingirá diretamente o seu cérebro matando-o lentamente!).

Siegfried decide então fazer o seu sacrifício máximo. Plagiando mais um ataque de Shiryu de Dragão, o Guerreiro-Deus de Dubhe invoca o Último Dragão Sacrifício da Estrela Alfa, um golpe que só pode ser realizado uma vez na vida, que consiste em abraçar bem forte o inimigo e levá-lo às alturas (literalmente), em direção à Estrela Alfa, da constelação de "Ursa Maior", para que ambos evaporem juntos e virem poeira cósmica, e assim ele o faz. Agarrando Siegfried por trás pela frente, Sieg e Sorento somem no céu de Asgard. É o fim dos sete Guerreiros-Deuses de Asgard.

A Armadura de Odin[editar]

Por fim, sobrou somente Hilda de Polaris. Seiya já estava com todas as Safiras de Odin e implora para que a Estátua do Deus Nórdico jogue logo a Armadura Sagrada do alto, já que o tempo está acabando e Athena já está mais fria do que um picolé de limão, mas parece que a bendita estátua não está muito afim de papo não. Ele implora, joga pedra, chora, mas nada acontece. Hilda aproveita uma distração de Seiya e resolve atingi-lo com o poder do Anel de Nibelungo. Uma rajada poderosa é disparada do objeto aurífero, que acaba arremessando Seiya de um penhasco, próximo à grande estátua de Odin, deixando com que as Safiras sejam arremessadas de sua mão.

Só na beira da morte que Odin atende aos pedidos de Seiya

O Deus Nórdico Odin finalmente atende aos chororôs apelos de Seiya de Pégasus, e de sua gangue Atheniense, e o presenteia com a fodesora armadura de Odin (como se Seiya já não tivesse se apossado de muitas armaduras indevidamente durante todo o percurso do anime). Todo foderoso com aquela armadura, e embainhando a Espada Balmung, Seiya parte para cima de Hilda de Polaris com a espada, mas ele se depara com uma dúvida cruel: "Como destruir somente o anel, com uma espada de quase dois metros de altura, sem que o dedo anelar de Hilda acabe vindo junto (se não o dedo, o braço inteiro)?". Sem falar que Hilda morrer é um desperdício de hentai.

E essa é a última cena da Saga de Asgard e o início da de Poseidon

Odin, então, conversando mentalmente com Seiya, aconselha-o a matá-la sem medo, ele poderia arranjar uma substituta para ela não temer ao levantar a espada contra Hilda, pois ele permitiria que somente o Anel de Nibelungo fosse destruído, e não o corpo hentai de Hilda de Polaris. Seiya então confia na visão de Odin (apesar do Deus Nórdico ser caolho) e dispara feito um lunático em direção a representante de Odin na Terra, desferindo um golpe certeiro no Anel de Nibelungo, que é destruído. Hilda então volta para o Lado Iluminado da Força, como se nada tivesse acontecido.

Quando todos estavam retornando para salvar Athena (lembra dela?), que estava nessas alturas mais do que congelada, no local em que a Deusa estava (que era a ruína de uma ponte que levava ao Palácio Valhalla, e que ela própria destruiu no começo, para evitar que alguém a viesse salvar) acabou sendo destruído por um rodamoinho criado por Poseidon, levando Saori Kido para o fundo do mar. Tal rodamoinho criou um buraco profundo que levava diretamente ao Templo de Poseidon. Ao adentrarem nesse buraco, os Cavaleiros de Athena começam a participar da Saga de Poseidon e abandonam a saga passada que, a essas alturas, eu já nem me lembro do nome dela (mas esse é o destino de qualquer filler).

Ver também[editar]


Viking dinamarca.jpg Ek est årtikkel Vikingen!

Este artigo veio das frias terras dinamarquesas! Ele gosta de remar, louva Odin e o Deus Metal, não tem nenhum senso de privacidade ou de educação e seu autor chegou ao Valhalla. Não vandalize ou envolva a Finlândia neste artigo!


Mirror2.jpg Conheça também a versão oposta de Saga de Asgard no Mundo do Contra:

Espelhonomdc.jpg
Cavaleirospredef2.jpg