Ministério dos Transportes (Brasil)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Brasão do Brasil.png
Brasão do Brasil
Ministério dos Transportes, Portos Cubanos e Falta de Aviação Civil
Esplanada dos Ministérios, Bloco R - Brasília
BrasilCaminhoneiro.gov.br
Criado em Dezembro de 1906
19 de novembro de 1992 (recriado)
Anterior Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas (1906)
Ministério dos Transportes e das Comunicações (1992)
Extinto em 12 de abril de 1990
1 de janeiro de 2019 (reextinto)
Sucedido por Ministério da Infraestrutura
Tipo Ministério
Subordinação Governo Federal do Brasil
Jurisdição Bandeira do Brasil Brasil
Orçamento 19 bilhões(nenhum foi investido)
Órgãos executivos Secretaria de Falta de Aviação Civil
Secretaria de Portos Cubanos
Subordinados ANAC
ANTAQ
ANTT
DNIT
EPL
Infraero
VALEC
® Desciclopédia
Logo Gov Brazil 2014.PNG

Cabidério dos Transportes, Portos Cubanos e Falta de Aviação Civil do Brasil era o ministério que, na teoria, deveria ser responsável pelo investimento em rodovias brasileiras mas que na realidade só terceiriza a responsabilidade para as CCRs da vida, que adora meter a faca sem dó pra cobrança de pedágio, etc. Pedágio porque no brasil a existência de outras vias (aquáticas, ferroviárias e o escambau) é incerta, cabendo ao ministério apenas fazer alguma massa asfáltica barata pra cobrir algum buraco nas rodovias país afora por tempo limitado.

Áreas de competência[editar]

BR asfaltada depois primeiro período de chuva

O Ministério dos Transportes é o responsável por financiar e organizar grandes epic fails históricos na engenharia rodoviária mundial. Um destes grandes fracassos mundiais foi a Transamazônica, um caminho de terra "inaugurado" em 1974, ainda na ditadura dos milicos milicares, para a prática do rali. A ideia inicial daquele projeto, era fazer o maior percurso de rali do mundo, mas nem o percurso estava pronto na dita inauguração, o que contribuiu para que os organizadores do rali mudassem a sede da competição para Dakar. O ministro na época era um tal de Mário André "Zé" Graça, chamado assim porque ele adorava fazer gracinhas como essa transamazônica.

Teoricamente, o ministério seria o responsável pela aplicação da verba estatal na implementação de novas hidrovias nacionais. Se você é brasileiro e não sabe o que é uma hidrovia, normal. No Brasil, hidrovias são iguais cávias. O valor que deveria ser usado para tal fim nunca foi aplicado de fato e a grande parte se perdeu no meio do caminho, em algum desses mensalões, petrolões ou privatarias país afora.

Esse ministério é quem mais contribui com os ralis nacionais

O ministério também gerencia o caos que é a aviação brasileira. O Ministério dos Transportes faz o mesmo papel que o Coringa no Batman: Cavaleiro das Trevas Ressurge, promove o caos e quando chamado por meio de um dos órgãos subordinados como a Infraero, o ministro faz vistas grossas a situação, até algum acidente de proporções globais, quando ai sim aparece o ministro com alguma notinha de pesar às vitimas.

Tem também de se fazer jus a uma das obras que o ministério mostrou todo o empenho e conseguiu concluir no prazo certo. A obra é o Porto de Mariel, um porto genuinamente brasileiro mas construído bem longe daqui.

Ver também[editar]