Mercury (automóveis)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Mercury (carro))
Ir para: navegação, pesquisa
Mercury (automóveis) faliu!
Cows1.jpg Nem o Tio Patinhas quita suas dívidas!

Outros que ficaram no vermelho.


Cquote1.png Experimente também: Recheio de termômetro Cquote2.png
Sugestão do Google para Mercury (automóveis)
Cquote1.png Experimente também: Planeta infernal Cquote2.png
Sugestão do Google para Mercury (automóveis)
Cquote1.png Você quis dizer: Ford enfeitado Cquote2.png
Google sobre Mercury (automóveis)
Cquote1.png Esse Mercury não corre bosta nenhuma! Cquote2.png
especialista em mitologia grega sobre Mercury (carro)

Mercury (do inglês Mer--rio), foi mais uma dessas empresas norte-americanas de sucesso que produziam carros gigantes para que os gordos pudessem caber sem passar vergonha na frente de suas namoradas.

História[editar]

Brasão da Mercury após a invasão do planeta.

Tudo começou em 1939, quando Harrison Ford viu que sua empresa não estava mais conseguindo dinheiro com a classe média americana. Eis que surgiu a mais óbvia solução, tão óbvia que Ford ficou envergonhado de não ter pensado nela antes: invadir um planeta em busca de tecnologia para conseguir pensar em competir com a concorrência. Invadiu Marte e Vênus, mas nada ali encontrou. Quase morreu em nessas viagens, mas não desistiu tão fácil, tanto que sua próxima parada foi em Mercúrio, achando que lá teria algum lixo expelido pelo Sol. Não é que achou?

Harrison Ford achou muita tecnologia em Mercúrio, o suficiente para produzir uma quantidade incrível de carros, e finalmente pôde preencher a vaga entre o lixo oferecido pela Fail e a caríssima Lincoln. Para homenagear o feito, decidiu batizar o novo carro de Mercury (achou que seria Mercúrio, Se fudeu!!

O que ocorreu foi que a Mercury conseguiu um bom número de vendas nos anos subsequentes, chegando a absurdas 200 unidades em toda a década de 1950, destacando as inúmeras variantes. Tinha sedan pro vozão, perua para a mãezona e conversível pro paizão se mostrar pras vagabundas enquanto tá todo mundo em casa.

As coisas iam bem até a chegada do glorioso ano de 1973, que trouxe consigo o resultado de uma briga entre os sheiks e bomberman da Arábia, fazendo com que o preço da gasolina saltasse de US$ 0,00000008 pra US$ 1596,0374453 o litro, fazendo com que ganhasse forma a Crise do Petróleo. Tal fato fez com que na década de 70 fossem vendidas 150 unidades, 120 na década de 80, 97 na década de 90, 54 na década de 2000 e, derradeiramente, 2 unidades de 2010 até 2011, quando faliu. Harrison Ford ficou puto, mas nada mais podia ser feito, uma vez que o valor do rombo já aumentava mais que a hiperinflação em relação ao Dólar do Zimbábue.

Modelos[editar]

Comet engolindo seu dono.
  • Eight: Primeiro Mercury produzido, não passava de um Ford empiriquitado pra agradar as velhinhas e ficou assim até 1949, quando ganhou vida própria. O que mais chamava a atenção nesse modelo eram as portas suicidas, detalhe bem agradável para quem fosse comprar o dito carro. Como tudo o que é bom dura pouco, acabou em 1952;
  • Grand Marquis: maior modelo disponível, era literalmente uma sala de estar de 13m². Muito conforto e bebia demais. O carro perfeito pro Vozão curtir seus últimos momentos de vida;
  • Comet: carro engolidor de plásticos, ficou famoso quando comeu de uma só vez quatro Corsas em um show em Las Vegas;
  • Cougar: carro de apelo esportivo da marca. O único também. O nome faz referência ao motor: um gato selvagem de potência. Esse carro causou certo problema quando chegou ao Brasil, visto que aqui já havia uma marca chamada Puma. Rendeu um bom processo, o que acabou por agravar ainda mais a situação fodida que a Mercury se encontrava;

Ver também[editar]