Mazda

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
O famoso carro RX-7, feito 2000 anos atrás...

Cquote1.png Você quis dizer: Patrocinadora do Hiroshima Toyo Carp? Cquote2.png
Google sobre Mazda
Cquote1.png Eu vi esse carro no Playstation! Cquote2.png
Nerd sobre Mazda.
Cquote1.png Eu também! Já vi no Jaspion! Cquote2.png
Otaku sobre citação acima.
Cquote1.png Também vi esse carro no Changeman! Cquote2.png
Outro otaku sobre citação acima.
Cquote1.png Nunca vi, nem comi, eu só ouço falar... Aliás, nem isso... Cquote2.png
Pobre sobre citações acima.

Mazda é uma das duas fabricantes de automóveis japonesas que eram adoradas pelos antigos persas, junto com a Acura. Atualmente, os sedãs fabricados parecem antiquados, até porque eles são, mas imagine o quão impressionante toda a linha de carros teria sido 3000 anos atrás...

Império Mazda[editar]

Carros da Mazda atraem gostosas...

A religião persa antiga, o zoroastrismo, que chamaremos de Mazdaísmo porque ninguém falou que não pode, foi praticada no Segundo Império Mazda (é, demorou um cadinho). Dirigir um acura e/ou um mazda eram vistos como o símbolo absoluto de alegria e felicidade, bem coerente com tudo o que há de bom e que o deus supremo "Acura" Mazda representa.

Os mazdaistas (ou zoroastrianos, pro subconsciente reclamão de um SJW que deve estar triggered) de hoje em dia preferem a sensação de serem empurrados para trás em seus assentos pela força do trabalho de um motor potente, com a sensação de um corpo de mulher por perto. Essas pessoas são consideradas mazdaligans e consideram ter e conduzir um mazda uma das muitas alegrias e honras da vida, contudo, ao contrário do que o nome possa indicar, NÃO HÁ nesses "mazdaligans" a vontade de quebrar na porrada quem dirige outros carros, exceto Land Rover, que insultou a saudável e amistosa competição entre Mazda e Acura comparando-a com uma série semi-épica da década de 1980.

A Mazda tem o primeiro (e único) carro a ganhar as 24 horas de Le Mans, o 787B, no fatídico ano de 1991. Depois dessa época até a última vez que eu olhei as horas no relógio, nenhum outro japonês conseguiu vencer os alemães, britânicos, americanos... Nem mesmo os angolanos!

Locais de culto do Mazdaísmo[editar]

Seu concorrente na eterna batalha contra os carros de Arimã.

Atualmente, os deuses Acura e Mazda são cultuados em instituições conhecidas popularmente como "concessionárias". O grande número (oi?) de concessionárias das duas fabricantes no presente atesta o legado dos persas no passado, mas também mostra como ninguém fazia ideia de que o Brasil ou a Colombia existiam, já que só em sonho (ou quando a Nissan falir) pra uma concessionária da Acura e da Mazda aparecer nesses cantos. A cerimônia é pensada para ser um dos primeiros exemplos de uma economia de escambo, uma vez que peregrinos vinham para a concessionária com a moeda ou então com uma arma de alta qualidade que dariam aos sacerdotes, conhecidos como "vendedores", que sempre estavam pensando em suicídio acessíveis e eram comunicativos, pedindo constantemente autorização ao bispo, mais conhecido como O Gerente, para dar aos peregrinos o que seria uma "lembrança premiada" da peregrinação, bem como uma maneira de voltar para casa.

O declínio mazdaísta[editar]

Alguns sacerdotes, depois de um tempo beeeem longo, finalmente se renderam à ganância e nomearam um carro que, além de seus atributos de simpatia e conforto, para que pudessem dizer com todas as letras: Cquote1.png É uma obra do grande deus Mazda! Cquote2.png. No entanto, quando descobriram que um desses carros foi vendido com diversos problemas técnicos, notou-se uma grande queda de seguidores da religião, que teve de encarar seus ex-fieis seguindo o Volvoísmo. Posteriormente, vieram o Volkswagenísmo e Fiatismo.

Coruja O RLY? mostrando que segue o Mazdaísmo até hoje.

Pouco tempo depois, nas terras orientais, onde surgiu, o Mazdaísmo começou a sofrer diversos problemas com um ser que se virou contra a política Mazdaísta, um ser chamado Martinho Toyotero, que reuniu diversos outros seres em volta de seus pregamentos e os converteu ao Toyotismo, que acaba sendo mencionado randomicamente quando se estuda geografia. A religião Toyotista também já sofreu com a conversão de pessoas ao Hondismo e ao Hyundaísmo e outras budegas oriundas do mesmo campo oriental comedor de peixe cru. Os poucos Mazdaístas que sobreviveram acabaram tendo que fazer escambos com a Ford ou a Fiat, seguindo duas religiões.

Alguns carros de péssima qualidade[editar]