Fábio Costa

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa


CRO x CAM - 2014.gif CUIDADO! Fábio Costa É UM JOGADOR AGRESSIVO

E arruma briga todo jogo!

Veja outros Cavalos jogadores desse mesmo feitio aqui.

Fábio Costa
Fabiocostatinga.jpg
Fabio Costa mirando cuidadosamente no joelho do adversário
Nascimento 27 de novembro de 1977
Camaçari, Bahia
Nacionalidade Bandeira do Brasil Brasil
Altura 1,86m
Posição Goleiro
No corpo do atacante
Clubes Vitória, Santos, Corinthians, São Caetano e Atlético Mineiro
Estilo de Jogo Sair do gol que nem doido e meter a porrada em quem estiver com a bola
Gols Leva poucos
Prêmios Goleiro mais violento do Brasil, superado pelo Goleiro Bruno
Influências Oliver Kahn, Peter Schmeichel
Vícios Lesionar os outros


Cquote1.png Você quis dizer: Oliver Kahn tupiniquim? Cquote2.png
Google sobre Fábio Costa
Fábio Costa (Camaçari, 27 de novembro de 1977) é um ex-lutador que se disfarçava de jogador de futebol como goleiro. Um os grandes ícones do futebol brasileiro dos anos 2000, Fábio Costa passou por grandes clubes nacionais, sempre deixando sua marca... da sola da chuteira no corpo do adversário. Ficou conhecido por suas saídas do gol e pela violência com que golpeava a bola e o jogador que estava com ela.

Carreira[editar]

Fábio Costa em mais uma de suas tradicionais jogadas

Como já foi dito, Fábio Costa era lutador, mas ele acabou sendo banido do mundo das lutas por aplicar vários golpes ilegais em seus adversários durante os combates. Sem mais nada para fazer, ele se tornou uma espécie de Balrog da vida real e saiu pelas ruas de Salvador desafiando qualquer um que passasse para uma boa briga. Ele acabou sendo descoberto por um dirigente do Vitória no meio de uma roda de capoeira no Pelourinho. Ele percebeu que Costa tinha uma boa desenvoltura e força física, além de ser um tobogã de salto alto, características que fariam dele um ótimo goleiro. Após muito tempo de treinamento, Fábio Costa finalmente estava pronto para entrar num campo de futebol sem ser expulso no primeiro lance. E não decepcionou: na partida de estreia, foi expulso após longos sete minutos de jogo, recebendo o segundo amarelo após uma cotovelada no árbitro que teimava em considerar uma reles voadora no peito do goleiro como "jogo perigoso".

Com o tempo, Fábio Costa acabaria por se tornar um dos maiores jogadores do clube baiano, ganhando muitos títulos, fazendo muitas defesas e nocauteando muitos atacantes. Há quem diga que Costa tinha na verdade conluio com vários convênios de saúde, que lucravam bastante atendendo os jogadores agredidos pelo goleiro. Não demorou muito para que Fábio chamasse a atenção de clubes grandes, e aquele que conseguiu contratá-lo foi o Santos, time pelo qual foi campeão brasileiro. Porém, a estadia na Vila Belmiro foi curta. Muitas contusões e desfalques provocados nos treinos mancharam a imagem de Fábio Costa entre os vovôs da baixada, fazendo com que o mesmo fosse demitido.

Cquote1.png Pô seu juiz, mas eu só quebrei a clavícula dele... Cquote2.png

Em seguida, Fábio Costa foi para o único clube que aceitaria um arruaceiro do seu nível: o Curintcha. Lá, ele foi novamente campeão brasileiro (embora tenham roubado o caneco do Internacional na cara dura) e virou ídolo da mulambada gambazenta, tendo seu nome eternizado em cânticos entoados por todos os presídios de São Paulo.

Com a reputação restaurada, Fábio Costa foi re-comprado pelo timeco da Vila, e acabou por se tornar o grande nome da equipe durante aquela geração sofrida que só acabaria com a chegada de Neymídia e sua trupe. E se o Santos não ganhou nada importante nesses anos, foi graças a Costa que o time não passou dessa para pior. Nessa época também, foi quando o goleiro aperfeiçoou seu "estilo de jogo", aprendendo a dar entradas que fraturassem os ossos dos adversários e recebendo apenas um mero cartão amarelo por elas.

Em 2013, o Conselho Federal de Medicina (CFM) conseguiu uma liminar na justiça que proibia permanentemente a entrada de Fábio Costa em qualquer campo de futebol sob a prerrogativa de evitar que o goleiro, então esquenta-banco no Atlético Mineiro, "continuasse a causar seríssimos problemas de saúde irreversíveis aos jogadores brasileiros". Com sua licença de futebolista cassada, Fábio Costa não teve outra alternativa a não ser se aposentar, e hoje vive feliz dando aulas em sua academia de taekwondo e promovendo rinhas de galinha.

Seleção Brasileira[editar]

Quando ainda era um molequinho juvenil, Costa foi chamado por Vanderlea Luxaburra para fazer parte do time olímpico antes dos jogos olímpicos de Sydney, em 2000.Pouco depois, Emerson Leoa o convocaria para ser terceiro goleiro da seleção principal, disputando até mesmo a Copa das Confederações de 2001. Mais tarde, porém, acabou sendo cortado por medo de ser expulso no meio de algum jogo e nunca mais defendeu a amarelinha.

Estilo de jogo[editar]

Fábio Costa foi um dos grandes e maiores goleiros brasileiros enquanto jogava, numa era na qual o futebol não era cheio de frescuras como hoje. Naquela época, em que o Merthiolate ardia, era comum vermos jogadas açucaradas com uma boa dose de porradaria, e Costa aproveitou-se disso como ninguém, patenteando um estilo de defender que visava acertar não a bola do jogo, mas as bolas do adversário. Suas voadoras e entradas sanguinárias o transformaram num mito da pequena área, e eram poucos aqueles que ousavam desafiá-lo e saíam sem sequelas para contar a história.

Prêmios[editar]

Graças ao seu sucesso como goleiro, Fábio Costa recebeu o prêmio "Testículos de Prata" da Revista Placar, em 2005.

Ligações externas[editar]