Desnotícias:Standard & Poor's recomenda desabastecimento nos supermercados pra conter a inflação

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

SPAM PÁ UOL, Bananólia

Seguindo as recomendações da Standard & Poor's, supermercados geram desabastecimento no sentido de tentar forçar a queda de preços no atacado.

A agência de análise de risco Standard & Poor's, conhecida por fazer análise e especulação no ramo de títulos e derivativos em geral, sugestionou nesta semana que o governo tome medidas duras no sentido de tentar conter a inflação, aconselhando que o governo tome medidas restritivas no sentido de fazer com que ninguém tenha condição de comprar mais porra nenhuma.

Segundo Joaquin Cottani, economista-chefe da empresa para a América Latina, a ideia seria fazer com que ninguém tivesse mais condições de comprar nada, fazendo uma grande geração de desempregos e reduzindo a pressão inflacionária pelo lado dos "compradores", deixando-os sem condição de gastar mais nada, como já ocorreu em 1986 no super bem sucedido Plano Cruzado.

Cquote1.png A melhor forma de segurar a inflação na atual conjuntura brasileira seria forçando o aumento do desemprego e a queda na compra de alimentos por parte dos supermercados, que hoje já é crescente, para evitar que pobres em geral façam consumo de recursos e pressionem a demanda. Cquote2.png
Joaquin Cottani sobre como o governo deveria fazer para conter a inflação interna

Foi sugestionado ainda que o governo pare de intervir no câmbio, de forma que o dólar chegue a 5, 6 e 7 reais nos meses de Janeiro, Abril e Junho de 2016 respectivamente, dando condições para que se reinicie a ciranda inflacionária, muito lucrativa para especuladores e um alívio para governantes irresponsáveis que usam do imposto inflacionário para minimizar o efeito de seus passivos sobre as contas públicas.

Seguindo as recomendações da Standard & Poor's, os supermercados já começam a reduzir ao máximo as compras dos fornecedores, com o sentido de gerar desabastecimento e de tentar forçar, mesmo que seja em vão, a queda dos preços dos produtos no atacado.


Fontes[editar]