Desnotícias:Flávio Bolsonaro faz 48 depósitos de 2 mil reais em poucos minutos

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Desnoticias logo.png

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

RIO DE JANEIRO, Brasil

Flávio Bolsonaro sujando a bandeira do Brasil com suas lágrimas de crocodilo.

Flávio Bolsonaro, o mais proeminente clone e parasita do atual presidento, Jair Bolsonaro, se torna a nova atração da Rede Record. Em uma entrevista exclusiva para Edir Macedo, o político que é famoso assim como o pai na arte de falar bosta, mostrou que possuí talento para se tornar ator de algumas das produções da emissora, devido a sua grande atuação em que aparece em outro vídeo, com ele limpando as lágrimas na bandeira do Brasil, na maior cara-de-pau do mundo.

Uma escritura registra que o senador eleito recebeu dois imóveis e mais R$ 600 mil pela venda de um apartamento (situação bem semelhante àquela ocorrida com um certo analfabeto barbudo petista e um Triplex em Acapulco no Guarujá.) Documentos mostraram que foram feitos nada menos do que 48 depósitos em espécie na conta de Flávio e sempre no mesmo valor: R$ 2 mil reais. O total foi de R$ 96 mil depositados em cinco dias.

Flávio disse que depositou "honestamente" o dinheiro na conta dele, em 48 envelopes de R$ 2 mil em poucos segundos, dizendo que esse valor era o limite para cada depósito no caixa automático. No entanto, ainda está inventando uma desculpa para explicar por que optou por fazer tantos depósitos com diferença de poucos minutos em cada operação, ao invés de depositar tudinho de uma vez no fim do ano.

Enquanto recebe umas chineladas na bunda por parte de seu pai (assim como seu irmão Dudu, que tinha ameaçado fechar o STF há alguns meses atrás), Flávio Bolsonaro anda desconversando a imprensa e evitando dar entrevistas, para não fazer mais merdas (assim como seu pai, que fugia dos debates com a desculpa da facada), sendo que isso já ficou feio demais e o melhor que poderia fazer, seria assumir logo toda bosta que fez.


Fontes[editar]