Desnotícias:Camelo foge de presépio, faz a maior balbúrdia e passa a perna em policiais

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar

Este artigo é parte do Desnotícias, a sua fonte de ignorância 24 horas por dia.

Cidade dos Cansados, Estragos Prevenidos

Quase passou despercebido, quase.

Você já deve ter entrado naquele clima de Natal, que é a única data onde a família inteira se reúne pra fingir que se amam. Os Estados Unidos também já entraram em clima de Natal, afinal, os EUA deve e tem o direito de ser o primeiro a comemorar tudo, porque é dever dos EUA influenciar nisso. Tanto, que em pleno esse clima natalino chegando, inventaram de criar uma nova modalidade olímpica: "caça ao camelo". Tal modalidade se deu início devido a um camelo fujão que era parte de uma decoração de presépio vivo, mas percebeu que seu lugar não era naquele recinto e resolveu voltar pro seu lar doce deserto. Aliás, o que um camelo estava fazendo nos Estados Unidos? E por que os EUA tem esse fetiche por presépio vivo? Esse país é muito, mas muito misterioso...

O animal fazia parte de um presépio tipo "drive-thru", tipo isso, que era uma encenação do nascimento de Jesus, decerto o camelo se assustou com a quantidade de rechonchudos olhando pra ele ou realmente ele era prisioneiro ali e no momento de distração meteu o pé de lá. O camelo não contentado de ter escapado e feito mais de meio mundo correr atrás dele, ainda inventa de apostar corrida com carros em uma via bem movimentada do Kansas. Depois desse rolê digno de participação em Velozes e Furiosos, o camelo resolveu dar uma passada num campo de golfe, provavelmente queria fazer um "swing" em todo mundo. Depois disso tudo ele resolveu dar uma de testemunha de Jeová e invadiu bairros residenciais, e realmente conseguiu um minutinho de atenção dos moradores de lá. No final, após o camelo driblar os policiais mais que o Lázaro Barbosa, acabou sendo apanhado e reposto em seu devido local. Voltou pro presépio, coitado.

Fontes[editar]

Compartilhe
essa desnotícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram