Desnotícias:Brasil inteligentemente evita ser humilhado pela França mais uma vez, e decide ser eliminado antes pela Bélgica

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

FIFA WORLD CUP 2018.png Esta desnotícia é parte do projeto DesCopa Russia. Na Rússia, a Copa se informa sobre VOCÊ!

O problema está nas cores.

KAZAKISTAN, Rússia

Cquote1.png Pode confiar no Bernard no lugar do Neymar, que ele tem alegria nas pernas Cquote2.png
Galvão Bueno, em 2014
Cquote1.png Pode confiar no Fernandinho no lugar do Casemiro, que ele marca bem e é destaque na Premier League, a melhor do mundo Cquote2.png
Galvão Bueno, em 2018

Demonstrando que aprendeu a lição depois do que ocorreu em 2014, a seleção do Brasil veio a campo disposta a não se classificar para uma semifinal, traumatizada e desejando não perder uma semifinal, seja tomando um 7x1, ou seja perdendo para a França de novo assim como foi aquele fatídico jogo da libertadores de 1981 do Atlético-MG contra o Flamengo. Os comandados de Tite fizeram bem o seu papel de serem eliminados sem serem tão humilhados. Bom para a seleção superestimada da Bélgica, que pode ir para a semifinal da Copa e continuar se achando um grande time.

Este jogo deixou bem claro cada um dos malefícios de se trazer família para uma concentração. Todos sabem que família é sinônimo de confusão, de fofoca, de indisposição e de outros problemas e sentimentos negativos em geral. Ao invés dos jogadores brasileiros estarem lá na Rússia focados em vencer o campeonato, tinham que dividir o seu tempo de concentração com a família. Qualquer pessoa de sucesso profissional, um concursado por exemplo, só conseguiu o que conseguiu porque pôde estudar em paz, ou seja: sem família, sem um filho para ficar aporrinhando, uma mulher pra ficar importunando, uma mãe pra ficar enchendo o saco e muito menos um tiozão piadista.

Primeiro tempo[editar]

Como eufemismo para "jogo sem graça", Galvão Bueno definiu os primeiros 13 minutos de jogo como "jogo estudado" e "jogo tático", com o Brasil fazendo o que sabe fazer de melhor, que é demonstrar que não treinou os fundamentos básicos da finalização, desperdiçando umas boas chances. Gabriel Jesus continuou sendo apenas um jogador tático que não triscava na bola, Thiago Silva só ficava pagando sapo pros outros, Neymar pipocou todo iludido achando mesmo que um dia será melhor do mundo e Phillipe Coutinho tentando aquele mesmo chute da intermediária que era facilmente cortado, já que ele não varia de jogada.

Coube a Gabriel Jesus atrapalhar Fernandinho num cruzamento da Bélgica, pois se no ataque ele é só um jogador tático que não encosta na bola, para fazer cagada ele também sabe fazer sem encostar na bola, forçando o gol contra de Fernandinho.

Ao contrário de 2014, o Brasil não sentiu o gol, e continuou jogando normalmente, administrando bem uma derrota por apenas 1x0, evitando novos vexames históricos, só tocando a bola de forma inexpressiva na intermediária. Aí a Bélgica aproveitou a oportunidade e ampliou com contra-ataque veloz. Com dois gols atrás no placar, o Brasil decidiu mudar de tática e apelar para o desespero, tentando resolver tudo só com cruzamentos, mesmo que todos os jogadores belgas, inclusive o goleiro, tenham 2 metros de altura e cortem facilmente essas bolas alçadas. Não teve jeito, acabou em 2x0 o primeiro tempo.

Segundo tempo[editar]

Torcedora exibe a mais longa gestação da história, que já dura 192 meses, e deve durar mais uns 96 no mínimo.

Firmino entrou no jogo, infelizmente não no lugar do Gabriel Jesus, e apenas para errar passes de calcanhar. Fernandinho foi a grande estrela da seleção nessa busca desesperada por uma não classificação a uma semifinal, pois sendo forte a freguesia para a França, era ele o principal responsável por errar passes de 2 metros e não pegar nenhuma sobra, sempre possibilitando novos contra-ataques perigosos da Bélgica. Pelo menos o Brasil trocou os cruzamentos em bola aérea por cruzamentos em bolas rasteiras, com o Marcelo mandando foguetes rasteiros que davam em nada, já que dentro da área sempre havia pelo menos sete jogadores belgas (fora o goleiro) para dois brasileiros. Destaque para Neymar, que tentou simular fair play ao negar que um pênalti fosse marcado após ele ter se jogado tentando cavar um pênalti. Tite não gostou nada disso, e mandou ele tentar cavar um outro pênalti no final do jogo; aí sim, dessa vez ele reclamou veementemente querendo um pênalti roubado a favor do Brasil.

Neymar e Coutinho estão no bolso deste homem, aí fica difícil do hexa vir.

Renato Augusto entrou. Basicamente, tudo o que ele fez foi: perder a bola na defesa, fazer um gol inútil, e errar o gol que levaria o time à semifinal. Ou aos pênaltis, pelo menos. O Brasil não conseguiu buscar o empate, apostou suas últimas tentativas em simular pênaltis desesperadamente, visivelmente ainda não habituados com o árbitro de vídeo que via todos os jogadores dobrando os joelhos antes do contato físico. Nenhum pênalti foi marcado, e é melhor esperar o hexa de uma nova geração daqui uns 20 anos, porque essa atual que só sabe fazer selfie ganha no máximo uma Eurocopa sem Alemanha, Itália, Espanha, Inglaterra, França, Bélgica, Portugal Copa América mesmo.

Felicidade mesmo para os chatos da Copa, que embora tenham visto mais uma vez sua teoria arruinada de que a "Copa foi comprada", estão felizes mesmo assim por ver fãs de futebol com cara de cu.

E o pior, o Japão deu mais trabalho pros belgas do que o Brasil.

Agora que a Seleção Brasileira foi eliminada, as equipes podem dar sequência à Eurocopa.

Desempenho dos jogadores brasileiros[editar]

Era pro Jesus jogar de "Falso 9", mas ele foi bem como "Falso Jogador". Após a partida, o centroavante da seleção anunciou oficialmente que passará a atuar apenas como volante de contenção, estando a disposição do treinador Tite para receber a camisa 5 e ser o reserva imediato de Casemiro nas próximas partidas do Brasil (ou, na melhor das hipóteses, voltar a pintar ruas de verde e amarelo).

Fernandinho foi um dos antagonistas do Brasil em 2014, e voltou a repetir o feito em 2018. Agora falta apenas cagar em 2022 pra pedir música na Casa da Mãe Joana. Quanto a Marcelo e William, você não pode mandá-los pentear o cabelo porque senão te chamam de racista, por isso pode-se e deve-se criticar o cabelo despenteado do goleiro Alisson (que na verdade estava bem penteado, então não dá para reclamar do cabelo de ninguém, a menos que isso interfira na visão de alguém do próprio time).

Fagner tomou um amarelo só para manter o bom hábito e perdeu todas as corridas pro Hazard - mas também, para quem está acostumado a ter que marcar no Brasileirão apenas Nino Paraíba, Groli, Van Van e Apodi, ficou difícil pro Fagner mesmo.

Mas se for para apontar um responsável para esse derrota, é possível afirmar com tranquilidade que o Cássio foi o maior responsável pela derrota do Brasil. Afinal, lamentavelmente não cumpriu com o seu papel de terceiro goleiro, que, como todos sabem, é invadir o campo para dar aquela voadora saudável no atacante adversário antes de sair o segundo gol, criando aquela confusão fundamental para que a seleção conseguisse se restabelecer no jogo. Cássio tinha grande potencial mas claramente estava desatento no jogo. Triste ver um time perder por conta de um erro básico como esse.

Tite foi decepcionante até na coletiva de imprensa no pós-jogo, pois em momento nenhum se revoltou com nenhuma das estúpidas perguntas dos jornalistas, em momento nenhum aloprou e abandonou a entrevista xingando jornalistas, arregou até pra jornalista, respondendo a todos educadamente, imagine então se não arregaria no vestiário então? Com certeza não xingou Fernandinho nenhuma vez sequer, e por isso o meia não acordou no jogo. Ficou nítido que jogar com ética de nada serviu, ética não faz gol de empate salvador.

Para os brasileiros, fica apenas a sensação de que poderia ter sido diferente, se Tite tivesse convocado o Neymar, e a de que nem com Jesus no time conseguimos passar pelos diabos vermelhos. Pelo menos não tinha nenhum zagueiro chorando desequilibrado emocionalmente dizendo que "só queria trazer alegria para o povo". Todos os jogadores saíram de campo com a cabeça erguida e com a sensação de dever cumprido: o dever de não terem trazido o hexa.

O único que se deu bem nessa empreitada foi o menino Taison, que ganhou férias com tudo pago na Rússia. Por isso é bom escolhermos bem nossas amizades, algum deles futuramente pode ser o treinador de uma seleção.


Fontes[editar]