Consciência

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
A consciência materializada no plano da matéria física.

Cquote1.png Eu sei o que você fez no verão passado Cquote2.png
Consciência sobre suas atitudes homossexuais

Cquote1.png Incomodava-me, coloquei em silêncio Cquote2.png
Hitler sobre consciência

Consciência é um grilo falante e irritante no interior da sua mente que pode ser alcançada através da utilização de substâncias psicotrópicas onde a sua principal utilidade é diferenciar zumbis de seres humnanos. Os aspectos da consciência podem incluir euforia, efeitos visuais de olhos fechados, ânsias de vômito e desejo de evitar coisas como matar, fumar crack, ou usar internet.

A consciência é a regra vigente do cérebro que muitos, por conveniência, ignoram. Pode trazer problemas indesejáveis, tais como a compaixão, a misericórdia, o arrependimento, a bondade e o pensamento crítico.

Como parte da psique humana, a consciência é a forma de perceber-se como alma, em um caráter privado (por mais que você seja preguiçoso, jamais vai ter a consciência de uma pedra).

Experiência única[editar]

Às vezes sua consciência pode pesar bastante

A consciência pode ser entendida como pensamento sobre a existência do pensamento de uma forma privada, ou seja, ao imaginar aquele bofe lindo de sunguinha preta, será uma experiência só e exclusiva sua. Na prática, ao beber um suco de limão que parece tamarindo e que tem gosto de groselha você experimentará uma série de sensações de cor, cheiro e palato exclusivamente suas que talvez lhe force a achar que seja um suco de tamarindo que parece de groselha mas que tem gosto de limão ainda mais por que você nunca viu antes uma groselha na vida para poder supor sua sensação de gosto.

Dualismo entre mente e corpo[editar]

O dualismo tenta utilizar a consciência como a relação entre mente e corpo físico. Essa forma de consciência chamada de substância, mas que substância é essa? É o creminho gostoso que interliga a sua alma a seu corpo físico.

Para os materialistas "você é seu cérebro", afirmam isso categoricamente utilizando-se da proposição de que se cortarem sua cabeça, não importa onde esteja sua consciência, ela vai ser cortada junto, logo a consciência é apenas uma ilusão muito bem bolada da mente.

A negação da mente[editar]

Um tipo de pessoa sem consciência.

O materialismo eliminativo nega a existência da mente, e por conseguinte a consciência também não existe. Afirmando assim que você não passa de um saco de carne, água, neurotransmissores e hormônios cuja existência existe apenas para o sexo com o objetivo de criar novas existências num ciclo sem fim e sem sentido de nascer e morrer. Logo, a consciência é uma ficção criada pela própria consciência que é metafísica e não existe.

Dupla personalidade[editar]

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Dupla Personalidade


Quando você acha que tem dupla personalidade, na verdade é apenas a sua consciência falando mais alto que a consciência de pessoas normais.

Normalmente, a consciência é uma pequena voz na sua mente que fica dizendo coisas como: "Ei, não mate sua mãe para pegar vossa herança, afinal ela é sua mãe", "Ei, incesto não é legal, é até biologicamente incorreto", "Ei, para onde diabos está indo", "Ei, essa septuagésima terceira dose de pinga está destruindo seu fígado", "Ei, no cu não!", "Ei, Crepúculo? Que porra de emo!", "Desgraça de gente, vai trabalhar e estudar vagabundo" - e muitas outras frases.

O mundo de Maria[editar]

O Mundo de Maria é uma suposição criada pelo pseudo-filósofo Frank Jackson que tentou escrever um roteiro de cinema e fracassado acabou criando apenas este argumento consciência:

O conto diz que Maria foi criada num mundo apenas em preto, branco e tons cinza (mundo do. E então, após adquiria PhD em física, se depara com um tomate vermelho o que lhe garante uma experiência nova e excitante de como é experimentar a cor vermelho do ponto de vista do sujeito.

Moral da história desse conto: DROGA NENHUMA!!!! Mundo preto e branco... WTF? Tomate vermelho, e daí?...

Ver também[editar]