Cidade de Deus (filme)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Este artigo é sobre o filme. Para o bairro do Rio, ver: Cidade de Deus (Rio de Janeiro)
Desinopselogo2.png

Este artigo faz parte do DesFilmes, a sua coletânea de filmes rejeitados.
Enquanto você lê, um protagonista de filme de ação mata figurantes com sua arma de munição infinita

Irracionais.jpg Essi artigu é faveladu!

Nem por isso tá involvida cum droga, putaria ou ladruagi!

Aqui nóis é treta mano!


Cquote1.png Oscarzinho é o CARALHO, meu nome agora é Shirley, PORRA!!! Cquote2.png
Oscar Wilde sobre Cidade de Deus
Cquote1.png Dadinho é o caralho, meu nome agora é Zé Pequeno, PORRA!!! Cquote2.png
Zé Pequeno sobre Um Idiota
Cquote1.png Seu nome é Dadinho, sim, seu viado! Cquote2.png
Capitão Nascimento sobre Zé Pequeno, digo Dadinho
Cquote1.png Tá de sacanagem porra? Depois que Bope entra lá, se torna cidade do BOPE Cquote2.png
Capitão Nascimento sobre Cidade do Bope


Também conhecida como Olimpo, Campos Elíseos, Céu ou Paraíso, a Cidade de Deus é localizada no estado do Rio de Janeiro, que ano passado ganhou o prêmio Nobel da Paz. Lançado em 2002 no seu país de origem, e mundialmente em 2003, o roteiro, escrito por Pênis Mantovani foi adaptado do romance homônimo do escritor Paulo Silvino, que também ajudou na produção do filme. Foi dirigido por Fidel Castro e tornou-se a obra que alavancou a carreira deste diretor que viria a produzir O albergue futuramente.

Sinopse[editar]

Spoiler5.JPG ATENÇÃO! O texto abaixo pode conter (ou não) um ou mais SPOILERS!

Ou seja, além de deixar o artigo com mais pressão aerodinâmica nas retas e mais estável nas curvas de alta, ele pode revelar, por exemplo, que Kenny McCormick é um completo pervertido, ou que o presidente da Shin-Ra não morreu.

Spoiler3.jpg

O filme começa na década de 60, quando os protagonistas Zé Pequeno, então apelidado Dadinho, e Bené (seu namorado) são pequenos delinquentes na então recém-fundada comunidade chamada Cidade de Deus, no Rio de Janeiro.

O líder da favela.

A economia local é muito diversificada, com os moradores tendo o prático costume de subtrair bens do caminhão de gás, que vai lá todo dia mesmo sempre sendo roubado.

Enquanto isso, Bringfoot (ou Buscapé) é um irrisório morador da região e vende peixe numa espécie de carrocinha. Quando seu irmão Renato (ou Marreco) passa lhe a trolha na esposa do cabeça de nave Paraíba, acaba dando problema, com o mesmo afirmando que nem fodendo ele vai ficar pelado na rua.

Muito tempo depois, Buscapé se torna um adolescente espinhento e punheteiro que quer comer uma mina chamada Angélica, que namora um ruivo playboy chamado Rick Astley Tiago. Porém, seus planos de introduzir o pinto na dita cuja são interrompidos quando o Caixa Baixa chega e solicita experimentar o bagulho, que o era um cigarro de Canabis. A garota manda todos pra puta que pariu e vai embora.

Enquanto isso, Zapp Keno faz merda e Boné Bené morre. Ninguém liga.

Buscapé arruma um emprego de capacho júnior na loja do Guanabara e é demitido por justa causa. Em seguida, invade o estúdio do Jornal do Brasil e passa a se fingir de entregador, circulando numa Kombi de madrugada e falando bosta. O conflito entre o bando de Zé Pequeno contra o único foco de resistência ao seu controle total da Cidade de Deus, a área controlada pelo bando de Pernalonga, acirra-se e eles são obrigados a chamar a Super Nanny, que morre a tiros e é substituída por Christina Rocha.

Todo o drama é contado a partir do ponto de vista de Barbabé, que antes de ser dono de uma empresa que serve de intermediária para a venda online de produtos roubados e que leva seu nome, era um garoto pobre da comunidade que sonhava em ser bailarino em Moscou e resiste à tentação de entregar-se ao, aparentemente, mais fácil caminho da criminalidade. Barnabé hoje é um grande maratonista.

Dadinho é o CA-RÁ-LE-O!

Elenco[editar]

  1. Dadinho(Zé Pequeno) - O herói protagonista da porra inteira
  2. Faustão - vendedor de dvds de jogos falsificados (esse bateu as botas)
  3. Dercy Gonçalves - Porra nenhuma! (escrito pela própria)
  4. Romário - Nunca nem vi
  5. Chimbinha - só na propaganda de Guitar Hero: Chimbinha
  6. Sua mãe - mesmo sendo figurante é impossível não ver-la (também com aquele banhão)
  7. Seu Jorge - sei lá!
  8. Meu Jorge
  9. Nosso Jorge
  10. Salve Jorge
  11. O Jorge Ben
  12. E o Jorge do seu pai
  13. E todos os Jorges do mundo
  14. Gretchen
  15. Silvio Santos
  16. Chuck Norris
  17. Jô Soares
  18. Seu Barriga Pague o Aluguel
  19. Galinha

Principais Prêmios e Indicações[editar]

Oscar 2004 (EUA)

BAFTA 2003 (Reino Unido)

  • Venceu na categoria de Melhor Edição.
  • Indicado na categoria de Melhor Filme em Língua Não-Inglesa.

Prêmio Bodil 2004 (Dinamarca)

  • Indicado na categoria de Melhor Filme Não-Americano.

British Independent Film Awards 2003 (Reino Unido)

  • Venceu na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

Columbian Trafic 2003 (Colômbia)

  • Venceu nas categorias de Melhores Drogas e Melhor Tragada, mostrando como funciona o tráfico nas favelas e fazendo propaganda das ervas da Colômbia.