Chiaki Kuriyama

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Melhor.gif PERIGO: ESTE ARTIGO É SOBRE UMA FALSA GOSTOSA!

Chiaki Kuriyama usa e abusa de Photoshop, maquiagem e propaganda, faz lipo
com frequência, pode ter silicone na bunda e botox na cara.

Mesmo assim, você ainda acha que ela é gostosa!

Emblem-sound.svg.png Chiaki Kuriyama
Chiaki kuriyama.jpg
Essa mesma, a própria
Nome 栗山 千明
Origem Ibaraki Bandeira do Japão Japão
Sexo link={{{3}}} Feminino
Instrumentos
Nuvola apps kcmmidi.png
Microfone
Gênero J-Music
Influências
  • My Chemical Romance
  • Utada Hikaru
  • Shiina Ringo
  • Avril Lavigne
  • L'Arc~en~Ciel
  • UVERworld
  • Namie Amuro
  • Nível de Habilidade Médio-cre
    Aparência Nariguda magricela
    Plásticas Devia fazer uma no nariz
    Vícios
    Nuvola apps atlantik.png
    Gundam
    Cafetão/Produtor
    Crystal Clear action bookmark.svg.png
    Quentin Tarantino

    Chiaki Kuriyama é uma japonesa que tem cara de extraterrestre e, mesmo assim, consegue atrair alguns malucos que consideram-na gostosa, incluindo o cineasta não menos esquisito que ela Quentin Tarantino, que escalou-a como figurante em Kill Bill.

    As raízes e o início[editar]

    Chiaki Kuriyama e sua cara de peixe morto.

    Nasceu em Ibaraki, uma das trocentas províncias do Japão que ninguém de fora dele conhece.

    Já na infância, começou a trabalhar como modelo. Não era bonita, mas era perfeitamente anoréxica para a ocupação, então rapidamente tornou-se bem sucedida e consolidou-se como uma das maiores gravure idols mirins dos anos 90. Seu trabalho de maior sucesso nessa época foi uma série de livros pornográficos chamada Shinwa Shoujo, em que aparecia completamente pelada. Como tem sempre algum moralista chato de plantão para acabar com a alegria dos pedófilos, a publicação teve que ser interrompida pela editora, e hoje esses livros são tão raros que viraram produto de leilão no Mercado Livre.

    As primeiras atuações[editar]

    O tempo foi passando e Kuriyama foi crescendo, até atingir a estatura de 1,62 metro e parar de crescer. Com esta altura de pigmeu, ela já sabia que jamais conseguiria tornar-se uma supermodelo, então desistiu de seguir uma carreira na moda e decidiu tentar a sorte como atriz.

    Por ter um nariz absurdamente enorme, que parecia ser ainda maior em relação a seu raquitismo e nem mesmo os maiores especialistas em maquiagem do cinema eram capazes de disfarçar, Kuriyama só era contratada para atuar em filme de terror. Um desses filmes foi a versão original de O Grito, em que serviu apenas para interpretar uma colegial que é assassinada de um jeito tosco por Toshio Saeki.

    Tornou-se levemente reconhecida no ocidente, ao menos entre a população otaku, após participar da versão tokusatsu em longa metragem de Battle Royale, o animangá que serviu de plágio para a criação de Jogos Vorazes.

    Quentin Tarantino[editar]

    Lisa como uma tábua! E há quem chame esta anoréxica de sexy...

    Um dos otakus de quem Kuriyama chamou atenção em Battle Royale foi Quentin Tarantino, já mencionado no início deste artigo.

    Com um gosto bastante bizarro para mulheres, Tarantino apaixonou-se instantaneamente pela feiura de Kuriyama, a ponto de quase trocar sua musa eterna Uma Thurman por ela. Mas aí ele teve uma ideia melhor: juntar as duas no mesmo filme e criar um anime gravado com atores de carne e osso. Faltou alguém dizer ao imbecil que isso já existe, e chama-se live action, mas de qualquer maneira, Tarantino escreveu o roteiro para Kill Bill.

    Kuriyama ganhou um papel criado especialmente para ela, uma ninja assassina vestida com uniforme de school girl, o que nada mais é do que um grande fetiche particular de Tarantino. Ao término das filmagens, dizem que o diretor ficava assistindo sozinho as gravações e se masturbando em um quarto escuro, principalmente na cena da luta entre Gogo Yubari e Beatrix Kiddo, respectivamente as personagens interpretadas por Chiaki Kuriyama e Uma Thurman.

    Após essa atuação memorável no primeiro filme de Kill Bill, Kuriyama enfim conquistou de vez a fama no ocidente entre pessoas não otakus, mas ainda assim, praticamente ficou conhecida só entre os nerds, o que dá quase no mesmo.

    Ganhou ainda uma premiação fajuta da MTV na categoria "Melhor Luta" ao lado de Uma Thurman, justamente por aquela cena que mais deu tesão em Tarantino.

    Infelizmente, Kuriyama não pode fazer parte da equipe de elenco do segundo filme de Kill Bill, já que sua personagem Yubari morreu no anterior.

    A música e o talento reconhecido[editar]

    De volta ao Japão, os convites de trabalho para Kuriyama aumentaram consideravelmente. Ela voltou até a fazer alguns bicos como modelo, aparecendo na capa de algumas revistas.

    Entediada de ter que atuar em tanto filme ruim, Kuriyama encheu o saco de ser atriz e desembestou que agora queria ser cantora.

    Nenhuma gravadora queria se arriscar em contratá-la, já que ela nunca havia trabalhado com música antes, mas como sua carreira internacional lhe rendeu um bom salário e ela agora estava rica, bancou a gravação do seu álbum de estreia tirando dinheiro do seu próprio bolso. E não é que o troço vendeu bem e fez sucesso? Tanto que uma das músicas virou até anisong de encerramento de uma das mais de 8000 séries Gundam, franquia pela qual Kuriyama é fanática.

    Outros animes passaram a utilizar canções de Kuriyama em sua trilha sonora, o que despertou nela o desejo de tentar seguir ainda uma outra profissão: a de dubladora, já que é uma otaka assumida.

    Desde então, ela vem trabalhando simultaneamente com as piores profissões possíveis, mas também anda ganhando vários prêmios... Que não valem porra nenhuma, mas o que importa é a intenção.