Cheiramento de pó de corretivo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Quico panela.jpg "Não, cê é burro cara, que loucura..."

Este artigo é sobre algo ou alguém burro ou completamente imbecil.

E acredita na veracidade das lutas da WWE.
Saudades quando usavam corretivo só pra pintar os sapatos dos amigos.

Cheiramento de pó de corretivo é uma prática bizarra e absurda, inacreditavelmente mais absurda que fumar pilha ou cheirar gatinhos. É tão estranha que parece até mentira quando se vê, igual a diversas lendas urbanas sobre drogas como o cajuzinho (droga altamente poderosa, forte, poderosa), essa aqui realmente está rolando no Brasil, mais fodida que xarope, mais insana que chupar modess, esta é a prática do cheiramento de pó de corretivo.

Quando começou[editar]

Na real, não se sabe bem quando nem onde começou a prática. Acredita-se entretanto que isso pode ter iniciado com um dos muitos garotinhos juvenis que eram viciados em comer pasta de dente da Tandy (graças àquele gostinho de frutas que elas tinham e ainda têm), e, viciado nessa pasta, mas sem grana pra poder comprar dela mais escondido dos pais, quando chegou ao colégio descobriu que a borracha de dois lados o lado azul não apagava caneta nem nos sonhos dos imbecis que até hoje fazem isso, e que a única coisa meramente capaz de "apagar" uma merda feita na caneta era o corretivo.

No uso constante desse "liquid paper", as pessoas foram percebendo que dava para, igual ao marcador de texto, fazer obras de arte com o tal corretivo, desde flores, corações com "Fulaninha ama Sicraninho", pintar as unhas, o cabelo e as roupas (pra desespero da tua mãe), até mesmo respostas para a próxima prova ou mesmo artes fálicas perfeitas para as aulas de bilologia. Porém, alguns espertinhos também perceberam um algo deveras interessante: os corretivos em geral tem um cheirinho gostosinho de álcool (já que boa parte deles é feita disso mesmo) e começaram a cheirar o líquido mesmo. Como era difícil pras narinas cheirarem o líquido sem ficar com o nariz todo cagado, o inventor maluco dessa prática percebeu que poderia enganar uns amigos, dizendo estar trazendo cocaína pra escola e lhes oferecendo para cheirar o pó raspado do corretivo, prometendo muitas viagens alucinógenas pros garotinhos.

Como se produzir o produto[editar]

  1. É preciso de primeira uma superfície boa para enchê-la de corretivo;
  2. Espere secar todo o conteúdo, bem espalhado pela superfície pra gerar mais pó e não pedaços grandes e irrespiráveis mesmo pra tua nareba arrombada;
  3. Após secar bem, raspe todo o conteúdo, pode ser com estilete, tesoura, régua ou alguma coisa similar, de maneira bem calma, pois como dito acima é necessário extrair só o pó, não lascas de corretivo;
  4. Pegue o conteúdo do pó e jogue em algum outro canto espalhadinho como carreira de cocaína;
  5. Use um canudinho da cantina (ou o tubo de uma caneta mesmo, vá lá) inserto numa das narinas e boa cheirada!

Perigos[editar]

Vários especialistas atestam que essa prática, bem como o incentivo a ela, podem causar danos irreversíveis à mucosa nasal, além de piorar casos de rinite, sinusite e também podendo aos poucos causar a entrada de corretivo nas células nervosas do cérebro, o que pode causar apagamento de memória e de outras funções cerebrais, aos poucos tornando a pessoa uma retardada mental. Se bem que, talvez esse último nem seja bem verdade e a pessoa já era doida mesmo, afinal quem normal iria ficar cheirando pó de corretivo? Por favor né, cof cof, atchim, tem que... cof... atchim, atchim... ser um completo cretinAAAAAAAAAATCHIM... pra fazer... peraí, como assim tem do colorido já? Manda mais um pouquinho desses pra m... atchim!

Imagens reais dessa porra[editar]

ATENÇÃO: A DESCICLOPÉDIA NÃO SE RESPONSABILIZA PELA SUA BURRICE CASO INVENTE DE IMITAR ESSA PORRA!

Ver também outras práticas perniciosas e inúteis de jovens babacas[editar]