Batalha Naval de Actium

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Batalha de Actium)
Ir para: navegação, pesquisa
Romanopre.jpg ROMANI ITE DOMVM!!!

HÆC ARTICVLVS ROMANVM EST. LATIM LOQVÆBITVR. NON INTERLEGIT? HVMORIS PRIVATVS NON EST. MVITISSIMVS ENGRAÇATVS! SED ROLA MEAM VADE MAMARE! VADE FŒDERE CVM PORRIBVS NOSTRVM.

Spqrpre.jpg


Cquote1.png Rááá...agora você não me escapa, Marco Antônio. Cquote2.png
Otávio Augusto sobre a realização de uma nova guerra.
Cquote1.png Rááá...você quem pensa, Otávio Cquote2.png
Marco Antônio provando que já tinha tudo planejado.
Cquote1.png Eu que não tinha nada a ver com isso acabei me dando mal Cquote2.png
Cleópatra sobre essa batalha que acabou com ela.

Aqui, a estratégia de guerra usada por cada um dos candidatos a imperador.

A Batalha Naval de Actium ou simplesmente Batalha de Actium, pra economizar papel, foi uma guerra feita até a morte entre Marco Antônio e Otávio Augusto (não o cantor), onde que o primeiro que morresse, perderia. Mas a guerra terminou sem nenhum dos dois mortos, ou quiçá feridos, um fugiu e o outro tinha medo de andar de barco, e ficou em terra firme jogando baralho com sua avó.

Como aconteceu, tio?[editar]

Bem criançada, tudo começou após a vitória destes dois senhores, Marco Antônio e Otávio Augusto, que haviam acabado de vencer Brutus e Cassius Clay. Junto com eles, estava Épido, um bode expiatório que só servia pra pegar a culpa de tudo o que acontecia no império. Pois bem, estavam comemorando com muita cachaça, ouvindo pagode e comendo frango assado, quando Marco Antônio desafiou Otávio para uma partida de Batalha Naval, que acabou sendo vencida por Marco Antônio (que por sinal foi a única vitória dele sobre Otávio). Por não gostar de perder nem em par ou ímpar, Otávio desafiou Antônio para uma guerra naval real, que seria realizada próxima a Actium, e o perdedor teria que deixar tudo o que tinha para o vencedor. Como Antônio era um cabra ômi, ele aceitou de pronto.

Após passado o efeito da ressaca, Marco Antônio se deu conta de que não tinha nenhum barco, ou navio, ou até mesmo uma canoa que servisse para ele guerrear. Como não tinha mais para onde correr, ele foi pedir ajuda à sua amante africana, a Cleópatra, que não hesitou, por interesse, ajudar seu amado. Ela alugou alguns barcos que estavam no estaleiro para remendos, e como não tinha outras opções, restou à Antônio aceitar e partir para batalha. Outro problema, Antônio não tinha soldados, e para tal, saiu recrutando mendigos e velhos para lutar, oferecendo-lhes o céu, caso ganhassem, e o inferno, caso perdessem.

Marco Antônio à caminho da guerra.

Otávio se preparou com o que tinha de melhor nas suas mãos. Nomeou Marcus Vipsanius Agrippa como general de suas tropas, e foi para a beira-mar apenas assistir a batalha de camarote, já que ele morria de medo de subir em barcos. Por ser uma frota extensa e grande e forte e fudidamente bem armada, Otávio tinha todo o favoritismo para vencer essa partida batalha.

A Guerra[editar]

Apoiado por cerca de 400 caravelas e algumas canoas, Marco Antônio, ao perceber que não teria nenhuma chance de vitória, tratou logo de tirar o seu da reta e fugiu com Cleópatra rumo às montanhas altas. Como não sabia que Antônio havia fugido, os pobres soldados ficaram lutando até a morte, pois estava em jogo uma mudança de vida pra eles, para bem ou para mal. Eles foram massacrados pela tropa de Otávio Augusto, que venceu a guerra e ficou com tudo o que Marco Antônio tinha direito.

Cerca de um ano depois, Marco Antônio e Cleópatra foram encontrados por Augusto, que tratou de dar cabo de suas vidas e sodomizá-los quantas vezes fossem possível.

Ver Também[editar]