Anúncio publicitário

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
1centavotriste.png Anúncio publicitário não serve pra porra nenhuma!

Se você estiver disposto a perder seu tempo com esta porcaria, vá em frente. Só que não venha reclamar dizendo que perdeu tempo, senão a chapa esquenta, morô?!


NovoWikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Comercial.

Cquote1.png Você quis dizer: Spam Cquote2.png
Google sobre Anúncio publicitário
Cquote1.png Mãããnhêêê!!!!! Compra a Barbie Rapunzel pra mim, compraaaa... Cquote2.png
Garotinha pedindo uma boneca que viu num comercial pra mãe
Cquote1.png Eu compro quando tiver dinheiro, tá? Cquote2.png
Mãe sobre não querer dizer pra filha que nunca terá dinheiro pra comprar essa tranqueira inútil

Biotônico revigora e cura de tudo!!

Um anúncio publicitário, conhecido vulgarmente por comercial, é uma interrupção terrivelmente chata propositalmente inserida entre os programas de TV, na internet por meio de Spam, ou entre as músicas na rádio para que você comece a ficar louco para comprar coisas. Também é conhecida como publicidade, embora esse termo seja muito ofensivo para a maioria dos marqueteiros.

Em geral os comerciais são tremendamente chatos, embora nos últimos anos alguns tentem a todo custo apresentar-se como humorísticos - coisa que não são. Apesar da natureza displicente, os comerciais foram muito bem sucedidos em fazer as pessoas comprarem coisas através de mensagens subliminares, falsa publicidade, e apresentando depoimentos (pagos) de celebridades.

História[editar]

Toda criança tem o direito de se sujar enquanto brinca e aprende e faz a mãe gastar mais dinheiro comprando essa joça!

O primeiro comercial era anterior às comunicações modernas. Foi realizado na Grécia antiga, em 30 de fev. de 1298 aC, entre Atos II e III da obra (peça de teatro, ô infiliz!)" Diabos, É Zeus Again", escrita pelo poeta grego/filósofo/dramaturgo/trapaceiro Sócrates. Dado (ui!) que as mulheres não podiam atuar naquela época, e que a maioria dos gregos eram gays, todos os papéis no primeiro comercial - um anúncio de preservativos - foram interpretados por homens. O anúncio foi tão bem sucedido que Trojans continuam a ser vendidos nas farmácias, postos de gasolina e lojas até hoje, apesar de não serem em bronze como antigamente.

As batalhas no Coliseu Romano tinham frequentes comerciais. Durante um duelo, um gladiador virou para o outro e disse: "Desculpe-me, você têm um Red Bull?". O outro obviamente respondeu: Não!. Com isso, o lutador que havia feito a pergunta cravou a espada bem no toba peito do outro, começou a tomar o sangue que jorrava e disse: Melhor que isso, só Red Bull, o verdadeiro sangue de touro que te dá as sandálias com asas de Mercúrio!!!. Apesar disto, as vendas foram extremamente baixas; ainda mais porque, apesar dos gregos terem sido um povo muito sádico e sem-noção, eles não chegavam a curtir muito esse negócio de beber sangue e etc. Mas foi através desse acontecimento que, aos poucos,Red Bull virou a marca de droga ilegal disfarçada de bebida energético que conhecemos hoje.

O algodão, que foi inventado em 1793, tinha como garota-propaganda Eli Whitney. As propagandas eram muitas vezes caracterizadas por uma escrava se queixando com seu mestre sobre a dificuldade de se separar as fibras. O proprietário, então, começa a falar sobre o novíssimo "algodão" que ele comprou. Em seguida, explica um pouco sobre o produto (inventando mentiras, do tipo "limpo que dá até pra usar como flanela!"), e chicoteia então a pobre escrava,

Lacto-PulgaPurga: satisfação garantida ou sua merda enfiada no cu de volta.

mandando-a de volta ao trabalho.

Com a introdução da televisão na América veio o horror de se ver pernas, cabeças e outras partes do corpo explodirem no Vietnã e, pior ainda, os horrores de se assistir comerciais. Mas a guerra veio juntamente com comerciais cujos inventores tinham idéias e conceitos confusos para os mesmos. Por exemplo, comerciais que pregavam o conceito de "mulher com beleza natural", mas exageravam ao mostrarem hippies malucas fazendo propaganda de um shampoo à base de um ingrediente mais natural e alegre. Resultado: o novo produto foi um fracasso e a Herbalife foi processada; pois além das propagandas só terem chamado a atenção de algumas outras mulheres hippies, havia mesmo o tal ingrediente ilegal.

Com a invenção da internet veio também a invenção de comerciais para a Internet. Apesar de serem considerados tecnicamente comerciais, são infinitamente mais chatos e, portanto, têm a sua própria categoria. Eles são utilizados para promover todos os tipos de coisas, de websites fuleiros a antivírus. A internet também é cheia de banners, spams em seu e-mail, e vídeos publicitários. É quase como uma rede de comerciais, e talvez até mais importante que a TV na "arte" da publicidade.

Tipos[editar]

Porra nenhuma passa!a menos que você a tenha comprado furada sem perceber

Publicidade, como muitas outras coisas na vida que só chateiam, vêm em uma variedade que foi sendo desenvolvida ao longo dos séculos. Apesar da sua longa existência, as empresas ainda não aperfeiçoaram a "arte" da publicidade. Abaixo são mencionados apenas alguns dos tipos mais conhecidos.

Se você nunca viu este anúncio publicitário, você não teve infância televisão!
  • Infomerciais – Comerciais que normalmente são encontrados nas primeiras horas da manhã, normalmente em canais meia-boca na TV de rico TV paga. Como seu nome dá a entender, eles tentam parecer informativos, até mesmo quando está vendendo A mais nova versão do Invisible Bra!. Depois de ganhar a sua confiança e "educar" você, dizem: Ligue agora mesmo e peça seu Juicer Philips Walita!. Eles frequentemente apresentam alguma celebridade, só pra pessoa pensar: Se fulano está nesse anúncio, então esse produto deve ser bom mesmo!. Os mais populares informerciais são os da Polishop, que além de passar seus comerciais durante duas horas seguidas nas manhãs (e madrugadas até, às vezes), aparecem pelo menos uma vez em cada intervalo de cada programa de cada canal. Com exceção dos canais infantis, pois eles ainda estão planejando criar uma linha de produtos Polishop exclusivamente infantil, pra infernizar a pirralhada também, que por sua vez vai infernizar os pais pra comprarem as porcarias.
  • "Comerciais criança caridade'" - Estes comerciais pedem donativos para ajudar alguma ONG. Normamente apelam pra cenas de garotinhos negros e bem magrinhos pedindo esmola ou vendendo balas pra carros em sinais fechados (mais clichê, impossível). Também há os que mostram crianças deformadas ou em cadeiras de rodas, mas estes são especificamente usado por ONGs do tipo AACD. E lembre-se: para doar R$5,00 ligue para 4099-0080. Para doar R$10, ligue para...
  • Propaganda política - Comerciais que tentam ganhar seu voto. Sempre aparece o político todo sorridente fazendo promessas, dizendo que vai fazer melhorias na área de educação, sáude, etc., ao mesmo tempo que tenta manchar ao máximo a reputação do(s) concorrente(s). Quando os horários políticos são mais compridos, esses comerciais costumam também ter jingles horrendos (pior que ouvir a Bitchney Sperms!) terminando com algo do tipo Com José tudo vai melhorar! É só 2411 você digitar.... E nem adianta diminuir o volume ou apertar o botão "Mudo" do controle remoto: o político espertalhão já previu isso a propaganda é legendada para "atingir os telespectadores com deficiência auditiva".
    Um canal de anúncio publicitário em alta definição!
  • Comerciais pseudo-humorístiscos: tentam parecer engraçados, mas nunca dificilmente o são. A maioria desses comerciais apela MUITO, mas muito mesmo pra mulheres gostosas, festa na praia (principalmente comerciais de cerveja e refrigerante), e às vezes mascotes fofinhos/excêntricos feitos por computação gráfica. Um dos poucos comerciais desse tipo que conseguem ser engraçados é o do Twix, o que os caras ficam gritando "Caramelo!Biscoito!Chocolaaaate!" como se tivessem Síndrome de Tourette. Não é a toa que usam esse comercial desde que Dercy Gonçalves estava viva...
  • Comerciais pseudo-dramáticos: Esse tipo costuma ser usado principalmente em comerciais de bancos, hospitais e, em alguns casos, automóveis e produtos eletrônicos. Nos comerciais de bancos, mostram o banco como se fosse sua fonte de futuro e qualidade de vida (tá mais pra fonte de dívidas e atraso de vida, isso sim!), sempre com velhinhos no banco da praça, e gestantes/crianças fofas dizendo: "O Bundesco/Banco do Barril/Santandré cuida do meu futuro" ou algo semelhante. No caso dos automóveis e produtos eletrônicos, comparam o produto a obras de arte. Se a nova tela Bravia é tão boa quando uma obra de arte, não sei... mas que parece quase tão cara quanto uma...

Canais dedicados apenas à vendas[editar]

Cquote1.png O QUÊ?!!! Ainda tem mais?! AAAAAAHHHHH!!! Cquote2.png
Você sobre Essa seção do artigo
Cquote1.png Você quis dizer: Shop Tour Cquote2.png
Google sobre canais só de vendas
Cquote1.png Compre! Compre! Compre!!! Cquote2.png
Ciro Bottini sobre vendas

Sim, isso existe, mas é uma praga que há em maior quantidade na TV a cabo - apesar do quê a Mix TV atual também deveria contar, mas... Enfim, esses canais podem ser do tipo que tem um apresentador chato que não pára de tagarelar (seja sobre o produto ou não), enquanto o produto aparece na tela e do lado também o telefone, pro caso da pessoa querer mesmo a porcaria que estão vendendo. Há também o Giga Shop, que é pior ainda que o exemplo acima. Lembra dos comerciais da Polishop (dãã,claro que lembra)? Fichinha comparado com esse. O Giga Shop consegue a incrível façanha de passar comerciais mais medonhos, toscos e insuportavelmente insuportáveis que a dita-cuja.

Ver também[editar]