Alfa Romeo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Mafiapre.jpg PORCA GIUSTIZIA!!

Questo articolo è 100% made in Italia ed è sotto il controllo di Cosa Nostra! Perciò sta' bene attento a dove metti le tue manacce zozze o i nostri amici verranno a casa tua per spezzarti le gambine!


História[editar]

Um alfa romeo... Que não é real, assim como todos os outros carros da marca.

Em 1907, Cavaliere Ugo Stella, um aristocrata de Milão e Alexandre Darracq, fabricante de carros francês comeram um pão frances acompanhado de um vinho italiano e fundaram a companhia "Darracq Italiana", que começou a produzir automóveis Darracq em Nápoles. Alfa Romeo é uma marca que gosta de símbolos agressivos por isso ela escolheu uma cruz e uma cobra para seu logo, no caso a cobra serviria para picar o touro da Lamborghini, e a cruz para rezar e não ser atropelado pelo cavalo da Frerrari. A marca nas suas épocas de glória fazia carros de corrida, nas quais fizeram Enzo Ferrari chorar como um bebe quando perdeu uma corrida para Alfa, e assim a Alfa Romeo realizou o seu grande sonho.


Alfa Romeo[editar]

O Carrão mesmo que a frente pareça uma vagina é lindo e potente
Modelo dos de Classe C

A marca é notada por qualquer pessoa na rua, primeiro pelo seu ronco diferenciado, e pelo seu design com uma vagina na frente, referência ao trabalho do engenheiro Giuseppe Buscetta nas máquinas de corrida das décadas de 20 e 30, assim como à fama de seus donos. Com tudo ela é uma marca que está atualmente fugindo da Volkswagen, e se refugiando na casa de sua família o Grupo Fiat, o qual está no momento praticamente se prostituindo para ser absorvido pela própria Volkswagen, o que demonstra a consideração que a Fiat tem com esta marca. No que depender da Fiat a Alfa sempre terá a identidade italiana de sempre, mesmo passando os últimos meses tentando fazer um cosplay de BMW.

A Falácia da Morte em 1992[editar]

Após o final da produção do 75, foi espalhado por publicações americanas como Rough & Trash, Car and Alho, Jalópenico, The Treta About Caralhos e outras um ininterrupto lamento por um suposto "falecimento" da marca, mesmo que tal tivesse sido salva da morte certa pela FIAT e não só estava bem, obrigado, como vendendo mais do que anteriormente mesmo tendo que fazer o trabalho hercúleo de transformar carroças da FIAT em automóveis minimamente decentes (por exemplo, o 155, baseado no Fiat Tipo, não apresenta a tendência à combustão espontânea do Fiat. Tal melhoria foi alcançada por um método inovador na montagem chamado "remoção de kebab", na qual após montado, o carro era desmontado completamente para eliminar todos os focos de potencial incêndio), e, pela primeira vez em um Alfa Romeo, relativamente confiáveis (ou que pelo menos não dessem um bug louco corrigível apenas pelos peões italianos que passam pelo menos quarenta dias do ano em greve, fazendo que atos simples como levar os filhos à escola se transformasse em um evento puramente decidido pela sorte), com uma qualidade de construção superior à de um Fiat Uno montado por macacos bêbados que estavam mais preocupados com o resultado do Battle Royale anual entre patrões e sindicalistas, e que não se dissolviam em ferrugem como uma lesma no sal após aproximadamente 90 dias corridos após já virem enferrujando de fábrica. Tais publicações e seus seguidores (incluindo uma grande parcela dos alfistas de internet) tratam o período histórico de 1993 a 2015, onde nenhum veículo de tração traseira saiu das fábricas da Alfa Romeo, como um vácuo histórico onde a marca se encontrava em uma variedade de estados, desde morta a em uma situação similar à de Saori Kido na Batalha das 12 Casas: em um coma profundo do qual só haveria uma condição específica desconhecida para acordá-la, sendo todos os registros históricos deste período considerados como uma teoria da conspiração feita para prevenir que a Itália entrasse em um estado de caos social e todos os veículos produzidos neste período denominados como "falsos", apesar de continuarem saindo com uma vagina no lugar da grade e terem uma miríade de soluções tecnológicas presentes em diversos modelos considerados como "puros" ou "autênticos" ou "verdadeiros" desde os primórdios da existência de tal empresa. Tal período supostamente terminou em 2016, com a ascensão de uma nova diretoria que pretende não só destruir as finanças da empresa tentando vendê-la pelo maior preço possível para garantir o pé de meia pro resto da vida resgatar os ditos "valores" da marca, como elevar seu poder às estrelas seu prestígio e vendas para um número completamente irreal que nunca sequer foi alcançado pela metade na história da marca. Devido à sua influência americana, tal diretoria começou uma campanha de revisionismo histórico que apagava todas as referências do período de "morte vivida morrida", e agora concentra seus esforços em fazer com que a confiabilidade de seus modelos volte ao nível de 1992.

Modelos[editar]

Alfa Romeo Arna: não confunda com Arma apesar deste ser uma arma de decepção em massa

Clássicos[editar]

  • 164: considerado pelos revisionistas como a culpa de todos os males e desgraças do mundo, desde a queda do Império Romano até o 11 de Setembro, apesar deste atentado ter sido obra da Porsche.
A razão de todos os males do universo, ou pelo menos o que a atual administração quer que você acredite que o seja
  • 33: Uma Alfasud empobrecida, mas que não enferrujava depois de dois meses.
  • Alfasud: O Alfa Romeo mais produzido da história, não pelo fato de ser bom ou inovador, mas por enferrujar tão rapidamente que geralmente o dono trocava o carro por outra Alfasud antes da garantia de fábrica acabar, repetindo o ciclo ad eternum.
  • Alfetta: O maior modelo dá marca na época, apesar de ser chamado de "Alfinha" por seu designer megalomaníaco que achava que estava desenhando para a Cadillac.
A "minúscula" (quando comparado às banheiras americanas) Alfetta
  • Arna: Uma das joint ventures mais fracassadas da historia, reunia o pior em vez do melhor de dois mundos: a mecânica da Alfa Romeo e o visual da Nissan.

Atuais[editar]

Alfa Romeo depois dê ser dirigido por um brasileiro mau treinado
  • 4C: considerado um carro de corrida para as ruas, mais pela absoluta falta de conforto e usabilidade no dia-a-dia do que pelo desempenho em si.
  • Mito: justifica seu nome sendo um carro que se supõe real, mas não tem sua existência comprovada fora do cativeiro pois ninguém nunca foi visto comprando um. Não considerado "puro" pela imprensa e diretoria revisionistas.
  • Giulia: aclamado pela imprensa revisionista como o primeiro modelo "autêntico" e que reúne todas as características na qual a marca é conhecida: tração traseira, confiabilidade zero e potencial morte prematura por ferrugem. No entanto, como consegue andar de lado, é considerado como a quinta maravilha da engenharia mecânica.
  • Giulietta: homenageia um modelo da década de 80, que homenageia um modelo da década de 50. Considerado como um milagre da indústria automobilística, já que é um carro minimamente competitivo (ou seja, vender num ano o que o Golf vende em uma semana) no papel mesmo sendo construído na base do Fiat Punto. Não considerado um modelo "puro" pela diretoria revisionista.
  • Stelvio: uma Giulietta inflada cuja função principal é atrair consumidores americanos que costumam pensar que o tamanho do carro compensa o tamanho do pau.

Planos futuros[editar]

  • Modelo com motor, plataforma e porte de Giulia que vai receber outro nome apenas para encher linguiça e porque as montadoras alemãs inventam qualquer bosta e colocam pra produzir
  • Giulietta ainda mais inflada
  • Frankengiulietta inflada com partes de Giulia
  • Algum carro conceito que a internet inteira vai implorar pra produzir, mas que não vai sair do conceito porque a empresa gastou até o dinheiro do papel higiênico para tentar enfiar uma plataforma no maior número de modelos possíveis
  • Um esportivo que será vendido em uma quantidade menor que a de dedos nas mãos do Lula
  • Um hatchback que, apesar do chiado dá imprensa, vai acabar vendendo relativamente bem (leia-se: um décimo das vendas do Golf, Focus ou Megane) e salvando a empresa de mais uma falência iminente após o projeto megalomaníaco "foda-se o consumidor europeu que sempre foi nosso mercado principal, queremos vender carro pra americano que não se importa com nossa marca e pra chinês que não sabe o que é um Alfa Romeo" iniciado em meados de 2015.

O Sucesso[editar]

Não foi essa uma marca de grande sucesso, pois alguns preferem uma Maserati a bolonhesa do que um Alfa Romeo a milanesa, mesmo assim a marca não dá o braço a torcer e mete tudo mesmo em cima da Audi quando se trata de design e força, quando o Audi Xucruti R8 foi lançado em busca de tomar o lugar entre super esportivos intermediários a Alfa respondeu com o Alfa 8C Competizione do qual meteu 450 CV de força dentro do cano de escape do Audi, fazendo assim que as 4 bolas da Audi ganhassem o significado de: AUDI - Autentica - Unidade - Desprezível - Inquestionável, e essa foi uma das maiores façanhas ao apertar as bolas da Audi e fazer com que ela se rebaixasse ao poder do verdadeiro bife a milanesa.

Relacionados, mas nem tanto[editar]